Prêmio para piores

Prêmio para piores

Esforço do povo brasileiro para sair da crise derrotado no prêmio aos maus governadores pela Câmara

José Nêumanne

21 de dezembro de 2016 | 09h47

Para Bolinha, Câmara, que preside, não diz só amém à Fazenda Foto Marcelo Camargo/Agencia Brasil

Para presidente, Câmara não tem que dizer amém a governo Foto Marcelo Camargo/Agencia Brasil

Por 296 a 12, maioria acachapante, a Câmara dos Deputados mostrou mais uma vez seu descompromisso com a luta do País para se recuperar da calamidade econômica em que maus governadores puseram seus Estados, aumentando a folha de pagamento, contratando sem critério e gastando por conta receitas que não vieram. Aprovaram o alívio econômico que lhes está sendo dado pela União, mas dispensando-os de fazer o dever de casa do ajuste de suas contas. A pilantragem, comandada por Rodrigo Maia, sósia do Bolinha dos quadrinhos e apelidado de Botafogo na lista da propina da Odebrecht, e contando com a cumplicidade do líder traíra do governo, André Moura, vulgo André Cunha.

(Comentário do Direto da Redação 3 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na terça-feira 20 de dezembro de 2016, às 17h32m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.