Pra soltar Lula
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pra soltar Lula

Marco Aurélio, habitualmente espírito de porco, e Celso de Mello, com pretensa autoridade moral de decano, chefiaram golpe dos que usam pretexto de garantismo para garantir habeas corpus a mancheias no STF

José Nêumanne

21 de março de 2018 | 12h33

O decano Celso de Mello aceita fingir que dá dignidade ao golpe dos reis do habeas corpus. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Meu Direto ao Assunto abriu o Podcast Comentaristas do Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – da manhã da quarta-feira 21 de março de 2018 com os seguintes temas: a manchete do Estadão registrou hoje que “impasse sobre 2.ª instância agrava crise no Supremo”; o papel de Celso de Mello no vexame da reunião que não houve na sala da presidente do STF na terça-feira; o relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, negou recurso do IDP  contra prisão após segunda instância ao recusar embargos de declaração; a primeira página do Washington Post de terça-feira 20 de março pode ser o sinal que faltava que o golpe de mestre e a capitalização eleitoral pretendidos por Temer parece ter dado com os burros n’água na intervenção militar na segurança do Rio; o CNJ abriu investigação sobre atitude desrespeitosa da desembargadora Marília de Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio, que ofendeu Marielle Franco nas redes sociais; o interventor militar abandonou a experiência modelo que estava implantando na Vila Kennedy na zona oeste do Rio; a Procuradoria-Geral da República incluiu a delação de Funaro na investigação de Temer e tem batata assando no Jaburu; e o que poderá acontecer com Zuckerberger, além de perder 50  bilhões de dólares nos primeiros dois dias, depois que foi convocado a se explicar sobre quebra de sigilo de dados no Reino Unido e também nos Estados Unidos.  Alexandre Garcia comentou o dia cheio no Supremo; mais um político assassinado em Magé; a matança também continua no trânsito. Eliane Cantanhêde abordou os seguintes assuntos: o dia D do imbróglio da prisão em segunda instância, durante a sessão do Supremo, com a TV Justiça transmitindo ao vivo; o relator da Lava Jato, Edson Fachin, abriu caminho para a rediscussão do mérito da decisão de 2016 que autorizou prisão após segunda instância; o CNJ investiga a desembargadora do Rio Marilia  Iara Neves, que espalhou nas redes mentiras e injúrias contra Marielle Franco; e o governo anuncia 1 bilhão de reais para a intervenção no Rio, mas não sabe de onde tirar. E, em Direto da Fonte, Sonia Racy informou que Rodrigo Pacheco vai disputar governo mineiro pelo DEM.

Para ouvir clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.