Povo na rua por Moro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Povo na rua por Moro

Milhares de pessoas foram às ruas de 70 cidades em 26 Estados brasileiros, mas quem quer ver Moro perder força achou que número caiu em relação a 26 de maio como se fosse pouco

José Nêumanne

01 de julho de 2019 | 16h25

Inimigos da Lava Jato desdenharam do número de pessoas que compareceram a avenidas como Paulista para apoiar Moro, e será que queriam mais? Foto: Taba Benedicto/Estadão

É claro que os inimigos da Lava Jato – parlamentares suspeitos, acusados, processados e condenados pela operação – desdenharam as manifestações populares de rua em favor de Sergio Moro e seus projetos anticrime e contra corrupção, dando-as por inferiores às de 26 de maio, mas isso não quer dizer muita coisa, de vez que também aquelas eram a favor dos mesmos temas e contra Congresso e STF. O certo é que os atos de domingo mostraram que as tentativas da esquerda, em geral, e do PT, em particular, de desestabilizar o ministro da Justiça produzem o efeito inverso, pois deixam aberta ao ex-juiz justamente a porta da política, através da qual ele poderá vir a tornar-se um competidor de respeito, capaz de vencê-los em eleições majoritárias, pois seu prestígio aumenta com o desespero evidente dos corruptos.

Para ouvir comentário no Jornal Eldorado clique aqui e, em seguida no play

Assuntos para comentário da segunda-feira 1 de julho de 2019

1 – Haisem – Manchete do Estado de hoje é “Atos em favor de Moro fazem críticas ao STF e ao Congresso” Quais são suas impressões sobre essas manifestações de rua de ontem

2 – Carolina – O presidente Jair Bolsonaro elogiou o povo brasileiro pela civilidade com que se manifestou nas ruas. Que conseqüências o movimento poderá trazer para melhorar ou pressionar seu governo

3 – Haisem – Que efeitos as manifestações de ontem poderão ter nas votações do projeto anticrime e de combate à corrupção, na reforma da Previdência e na recuperação da imagem do governo Bolsonaro, em viés de queda

4 – Carolina – Você acha que as manifestações, em sequência às de 26 de maio, reduzirão a agressividade esperada dos deputados da oposição na sessão a que Moro comparecerá amanhã, 2 de julho, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados

5 – Haisem – Nas manifestações de ontem um dos pontos a destacar foi o discurso do professor de Direito da USP Modesto Carvalhosa sugerindo um plebiscito sobre os projetos acalentados por Moro no Congresso Nacional. Há alguma viabilidade de isso acontecer

6 – Carolina – Que contribuição traz o artigo do ex-ministro da Justiça no governo José Sarney e ex-membro da Comissão da Verdade na gestão de Dilma Rousseff no jornal O Globo para o debate político sobre a condenação de Lula à luz da revelação de eventuais mensagens entre Moro e procuradores da Lava Jato pelo Intercept Brasil

7 – Haisem – A defesa de Lula terá alguma chance nova na tentativa de anular a primeira condenação de Lula na Justiça argumentando com as revelações feitas pelo Intercept Brasil, obtidas em transcrições suspeitas de conversas entre autoridades de combate à corrupção pelo aplicativo telefônico russo Telegram

8 – Carolina – Que novidades a entrevista que você publicou esta semana em seu blog da juíza carioca Denise Frossard aporta à discussão sobre a parcialidade de Moro no processo do tríplex do Guarujá, cuja propriedade é atribuída pelo Ministério Público a Lula

 

 

Tendências: