Por que não?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que não?

Nenhum candidato a fracassar nas urnas em outubro ou beneficiário de eventuais boquinhas que poderia usufruir com sua vitória pode pretender-se guia e tutor do voto soberano do eleitor

José Nêumanne

24 de setembro de 2018 | 17h50

Paulo Guedes, o “posto Ipiranga” econômico de Bolsonaro, em visita no Hospital Albert Einstein, onde candidato está internado. Foto: Jair Bolsonaro/Twitter

Findo o inverno da “eleição sem Lula é fraude” e do “Lula livre”, pois se esgotaram os esforços para driblar a Lei da Ficha Limpa nas altas instâncias do Judiciário, chegou a primavera do “ele não”. Com a chapa de direita do capitão reformado do Exército e deputado federal Jair Bolsonaro no topo das pesquisas de intenção de voto, excluído o ficha-suja Lula, condenado a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, resta à esquerda e ao soit-disant “centro democrático” o podre expediente de desacreditar o eleitor a pretexto de desqualificar o candidato. As pesquisas os assustam muito: o político do baixo clero, de pífia atuação parlamentar, formando chapa com um general boquirroto da legenda de aluguel de propriedade do usuário do monotema eleitoral do “aerotrem”, Levy Fidelix, pode ganhar o pleito já em 7 de outubro, no primeiro turno, e dificilmente não disputará o segundo, ou seja,  não está de todo afastada a possibilidade de chegar à Presidência da República pelo voto popular.

Para evitar o desfecho previsível e anunciado, mas nem por isso inexorável, um exército de corneteiros do apocalipse se pôs em marcha. A cantora baiana Daniela Mercury desafiou sua colega Anitta, que havia caído em pecado ao “seguir” amiga declarada eleitora do capitão demolidor, a negar-lhe apoio. Temendoas consequências do assédio, a outra se declarou, correndo, adepta do #elenao, hashtag da moda. “Quero deixar claro para vocês, se ainda não ficou, que eu não apoio o candidato Bolsonaro”, postou a cantora. Ciro Gomes, natural de Pindiamonhangaba, cidade paulista onde nasceu Geraldo Alckmin, e suserano da República de Sobral, colou na camisa do líder nas pesquisas o rótulo de “protofascista”. O PSDB parece disposto a liderar uma campanha para reformar a Constituição e proibir simpatizantes do venezuelano Hugo Chávez de disputarem eleições no Brasil, à exceção do PT de Lula, Dilma e Haddad, é claro. ACM Neto, presidente do DEM, prefeito de Salvador e timoneiro da nave tucana, que faz água em mar turbulento, foi além, ao sugerir que “eleição não pode ficar entre prisão e facada”. Marina Silva, adepta de panos quentes, filosofou: no primeiro turno, o eleitor pode votar no candidato do coração e deixar para evitar um desafeto na rodada definitiva.

O Estado apurou que um grupo de “artistas, advogados, ativistas e empresários articula um manifesto contra a candidatura de Jair Bolsonaro”. Segundo Renata Agostini, uma versão preliminar do manifesto conta com cerca de 150 assinaturas, entre elas as de Maria Alice Setúbal, educadora e acionista do Itaú Unibanco, protagonista da campanha de Dilma contra Marina em 2014; do economista Bernard Appy, que foi secretário de Política Econômica do governo Lula; do empresário Guilherme Leal, sócio da Natura e financiador de campanhas de Marina; de Caetano Veloso, ex-devoto do “Lula livre” e eleitor declarado de Ciro; do advogado e professor da FGV Oscar Vilhena; e do médico Drauzio Varella.

Segundo a reportagem, “o documento intitulado Pela democracia, pelo Brasil não indica apoio à candidatura do Partido dos Trabalhadores (PT) nem de qualquer um dos adversários do deputado, mas afirma ser necessário um movimento contra o projeto antidemocrático do candidato do PSL”. Reza o texto: “É preciso dizer, mais que uma escolha política, a candidatura de Jair Bolsonaro representa uma ameaça franca ao nosso patrimônio civilizatório primordial (sic). É preciso recusar sua normalização, e somar forças na defesa da liberdade, da tolerância e do destino coletivo entre nós (sic)”. O documento diz que o País já teve em Jânio Quadros e Fernando Collor de Mello “outros pretensos heróis da pátria, aventureiros eleitos como supostos redentores da ética e da limpeza política”, mas que acabaram levando o Brasil ao “desastre”. E, em apelo às trágicas lembranças da 2.ª Guerra Mundial, os autores do relambório proclamam: “Nunca é demais lembrar, líderes fascistas, nazistas e diversos outros regimes autocráticos na história e no presente foram originalmente eleitos, com a promessa de resgatar a autoestima e a credibilidade de suas nações, antes de subordiná-las aos mais variados desmandos autoritários.”

Ao contrário de Bolsonaro, Jânio chegou à Presidência da República após ter sido eleito e cumprido mandatos na Câmara Municipal e na Prefeitura de São Paulo, no governo do Estado e no Congresso Nacional. Renunciou ao cargo mais alto e, depois, disputou o governo paulista e foi, de novo, eleito eempossado prefeito da maior cidade do País. Qual dos 150 eventuais signatários da cartilha citada tem a apresentar a seus prosélitos tantas demonstrações de apreço popular? Talvez tais manifestantes nem saibam, mas, consultando a Wikipédia, saberão que Fernando Collor “foi prefeito de Maceió de 1979 a 1982, deputado federal de 1982 a 1986, governador de Alagoas de 1987 a 1989 e o 32.º presidente do Brasil, de 1990 a 1992. Renunciou à Presidência da República em 29 de dezembro de 1992, horas antes de ser condenado pelo Senado por crime de responsabilidade, perdendo os direitos políticos por oito anos. Posteriormente, voltou às disputas eleitorais e, desde 2007, é senador por Alagoas”. Ou seja, as instituições continuaram funcionando.

Talvez não tivessem como encontrar notícias de que o desastre que ora vivemos e que pode resultar até na vitória de seu adversário preferencial foi provocado pelos catastróficos desgovernos do presidiário Lula e da futura senadora pelo PT de Minas, Dilma Rousseff. Com o auxílio luxuoso do vice Temer, que ajudou o poste de Lula a chegar à Presidência e, depois, beneficiou-se da incúria, incompetência e inabilidade da titular da chapa que derrotou o tucano Aécio Neves em 2014.

Os responsáveis pela “advertência” sobre os malefícios que podem advir de uma eventual (e não inevitável) vitória de Bolsonaro têm todo o direito de votar em quem bem entenderem e até mesmo de encontrar bons motivos para convencerem quem não os acompanha de que deveriam fazê-lo. O que não devem é se comportar como se fossem revisores universais da soberania popular ou, o que é pior, tentar tutelar a decisão do cidadão diante da urna. Cobrar de Jânio, Collor, Lula, Dilma, Temer e até de Aécio pela traição que cometeram no exercício do cargo público para o qual foram eleitos ou derrotados é lícito, válido e pode ser explicitado. Tentar censurar o eleitor enganado pelos erros de quem os ludibriou é nefanda má-fé de quem pratica esse ato vil, de mera covardia cívica.

Caso diferente é o de representantes de seis centrais sindicais que divulgaram, no sábado, 22 de setembro, nota de repúdio ao mesmo Bolsonaro. Sob o título Sindicalistas contra o projeto fascista de Bolsonaro, representantes da Força Sindical, das Centrais dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTBs), da Nova Central Sindical, da Intersindical e da Conlutas a nota classifica Bolsonaro como “antitrabalhadores” e repudia o candidato do PSL “por sua postura antidemocrática, intolerante com minorias, que faz apologia da violência, e pela sua conivência com práticas repugnantes, como a defesa de torturadores”. Para os sindicalistas, a eleição de Bolsonaro pode representar “ameaça de retorno a (sic) ditadura militar”. A argumentação se insere na liberdade permitida pela luta política, da qual o marketing negativo faz parte, como, aliás, a propaganda dos partidos no rádio e na televisão exibe sem pudor nem justa causa.

Detalhe interessante no caso é que a Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do PT de Lula, Dilma e Haddad, não subscreveu o documento, a exemplo da União Geral dos Trabalhadores (UGT). A ausência tem motivo político: ao contrário do “Centrão”, ao qual se associa parte da esquerda viúva do presidiário de Curitiba, o partido deste tem noção de que está no jogo e se dispõe a disputá-lo para ganhar ou perder. No caso de derrotada por Bolsonaro, o que temem seus adversários da dita “terceira via” (risos gerais no salão), e talvez tenham razões que nós outros desconhecemos para tanto, os petistas sabem que logo ocuparão o confortável camarote da oposição. Dele combaterão à luz dos holofotes as catástrofes que profetizam Alckmin, Ciro e Marina, ao lado da pretensa censora de biografias Paula Lavigne. E, então, tirarão proveito, como já o fizeram antes, dos erros dos adversários, o que tornará lana caprina a culpa deles mesmos nos desastres provocados pelos próprios desgovernos.

Ou seja: ele não? Por que não?, cantarolava o signatário Caetano…

*Jornalista, poeta e escritor