Perfil novo para BNDES

Erro de Guedes não foi indicar Levy à presidência do BNDES e Bolsonaro não errou ao forçar sua demissão agora, pois ambos pisaram na bola ao nomearem um executivo badalado, mas inadequado para o que dele se esperava no cargo

José Nêumanne

17 de junho de 2019 | 22h57

Mestre em Finanças com 17 anos de atuação no mercado financeiro e secretário adjunto de Privatização e Desinvestimento, Gustavo Montezano assume posto de Levy no BNDES. Foto: Hoana Gonçalves / ME

Impressionante choro de exéquias pela saída de Joaquim Levy da presidência do BNDES não abalou a economia e sua substituição por Gustavo Montezano, secretário adjunto da Privatização e Desenvestimento, da equipe de Paulo Guedes, pode ser nova oportunidade para fazer o banco público capitanear as privatizações, ter reduzido o quadro de pessoal e o perfil megalô dos tempos do PT.

Para ouvir meu comentário no Jornal da Gazeta da segunda-feira 17 de junho de 2019, às 19 horas, clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.