Perdidos e abandonados
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Perdidos e abandonados

Sem plano nacional de segurança pública, tecnologia e inteligência no combate ao crime, Estado incompetente e desinteressado deixa a sociedade à mercê de bandidos organizados, bem armados, inteligentes e coordenados

José Nêumanne

06 Junho 2018 | 10h34

Como este em Uberaba, 50 ônibus foram queimados em 20 cidades de Minas. Foto: Jairo Chagas/Jornal da Manhã

Com a constatação de mais de 62 mil mortes violentas em 2016, 30 por grupo de 100 mil, 30 vezes mais do que a média na Europa, o Atlas da Violência de 2018 constata o óbvio: o crime organizado espalha terror coordenado por todo o imenso território nacional sem lei nenhuma a partir de ordens emanadas dos inseguros presídios ditos de “segurança máxima” e facilitado pela desconexão, que chega ao conflito aberto entre órgãos do Estado, cada um por si e todos contra todos. Policiais brigam entre si e contra procuradores, que vivem às turras com juízes num caos no qual se incluem a vida desumana nos presídios e a total falta de tecnologia e de informação. Neste país, o cidadão honesto e manso é entregue ao diabo que o carregue.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 6 de junho de 2018, às 7h39m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir E agora, José, com Paulo Diniz, clique aqui

 

Assuntos do comentário de quarta-feira 6 de junho de 2018:

 

1– Haisem – Quais são os números divulgados no Atlas da Violência de 2018 que mais o assustaram?

 

2 – Carolina – De que adianta o Brasil ter um Ministério dito Extraordinário de Segurança Pública se ele não consegue reprimir ataques simultâneos do PCC no Rio Grande do Norte e em Minas Gerais, que tinha ontem 20 cidades atingidas, e, sabe lá Deus, onde mais, por falta de inteligência e coordenação entre policiais civil e militar, Ministério Público e Justiça?

 

3 – Haisem – Não o impressiona a enorme sensibilidade social demonstrada pelo presidente nacional do MDB, Romero Jucá, ao patrocinar a aprovação pelo Congresso na semana passada da medida provisória que autoriza que cerca de 30 mil funcionários dos ex-territórios e hoje Estados de Roraima, Amapá e Rondônia a pedir transferência para a folha de pagamentos da União, ao custo de mais um rombo de 2 bilhões de reais aos cofres públicos?

 

4 – Carolina – Segundo reportagem de Denise Luna, do Estadão, o presidente da Plural, associação que reúne as principais distribuidoras de combustíveis do País, Leonardo Gadotti, disse ontem que o eventual uso das Forças Armadas pelo governo para tentar obrigar os postos de abastecimento a praticar o desconto de R$ 0,46 por litro de diesel seria um grande erro. Segundo ele, “a Venezuela começou assim”.E agora, José?

 

5 – Haisem – Segundo reportagem de Brenno Pires e Flávio Serapião, no Blog do Fausto Macedo, no Estadão, a Polícia Federal afirma que dirigentes do Partido Trabalhista Brasileiro e do Solidariedade “tomaram de assalto” o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e transformaram a Secretaria de Relações de Trabalho (SRT) em um “verdadeiro balcão de negócios”. Rapaz, será que chegou mesmo a esse ponto?

 

6 – Carolina – Segundo reportagem de Mariana Oliveira e Andrea Sadi na Globo, a Polícia Federal tem documentação sobre depósitos milionários em bancos no exterior feitos pelo primeiro amigo do presidente Temer, o coronel aposentado da PM paulista João Baptista Lima Filho? Quem na alta cúpula da Polícia Federal permite que esse senhor continue se negando a dar seu relevantíssimo depoimento?

 

7 – Haisem – Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas Lula disse que não sabia de corrupção na escolha da sede da Olimpíada de 2016 e nega ter sido amigo íntimo de Sérgio Cabral, réu pelo qual foi chamado como testemunha de defesa. Quem é mais cara de pau, o ex-presidente ou o juiz, que aproveitou a oportunosa ensancha e tietou o réu?

BRETAS_LULA_02­

 

8 – Carolina – O texto de Frei Betto sobre Lula publicado no Globo de ontem contém algo de aproveitável do ponto de vista do jornalismo ou é apenas uma espécie de parábola do bom ladrão adaptado ao cristianismo socialista de nossos tempos atuais?

 

 

SONORA Paulo Diniz E agora, José?

https://www.youtube.com/watch?v=1L9mZIxgaq0