Perdeu, seu Lula!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Perdeu, seu Lula!

Tratado com respeito, mas rigor, pela substituta de Moro, Lula não conseguiu fazer de depoimento na Justiça palanque nem deixar sem respostas acusações levianas contra juiz e procuradores. E deu-se mal!

José Nêumanne

15 Novembro 2018 | 19h36

Derrota na eleição apagou em Lula sinais de euforia na vigília antes de ser preso no sindicato, quando imaginava que logo estaria solto. Foto: Nelson Antoine/AP

A substituta de Moro, juíza Daniela Hardt, foi impecável e implacável, impedindo todas as tartimanhas do criminoso condenado e preso Lula e usar o depoimento na Justiça Federal em processo no qual é acusado de ter recebido propinas das empreiteiras OAS e Odebrecht para reformar sítio em Atibaia, que ele diz pertencer ao amigo Fernando Bittar. Quando ele disse que o juiz seria amigo de um delator da Operação Lava Jato, a juíza defendeu o colega e o levou a reconhecer que isso não é verdade. Depois, ao se referir ao power point dos procuradores, ela o advertiu que ele, segundo quem “nunca foi tão fácil ser ladrão no Brasil”, não pode intimidar agentes da lei. Perdeu, seu Lula!

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da quinta-feira 15 de novembro de 2018

 

1 – O que mais o impressionou no contexto do depoimento de Lula diante da juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro, no processo sobre suspeita de pagamento de propinas pelas empreiteiras OAS e Odebrecht para a reforma de um sítio em Atibaia?

SONORA_LULA 1511 YOUSSEF

 

2 – Em que a imagem de Lula mudou, a seu juízo, do começo dos processos de corrupção que sofre na Justiça Federal, desde o dia em que foi preso em São Bernardo do Campo até o depoimento de ontem em Curitiba?

SONORA_LULA 1511 GABRIELA

 

3 – Você acha que o juiz Sérgio Moro, que agora vai chefiar o Ministério da Justiça no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, fez bem ou fez mal em adiar o depoimento, que estava marcado para antes e realizado, afinal, depois da eleição de outubro, numa tentativa de evitar influência política no processo judicial? Será que ele conseguiu isso?

 

4 – Por que o presidente Michel Temer está empurrando com a barriga a decisão que terá de tomar sobre a sanção à lei votada a toque de caixa e por ampla maioria no Senado para conceder reajuste de subsídios dos 11 juízes do Supremo, depois de o presidente eleito, Jair Bolsonaro, já ter se pronunciado contra?

 

5 – Que motivos você acha que a ex-presidente do Chile Michele Bachelet, agora investida no papel de comissária da ONU, para declarar em palestra na Universidade de Genebra que a eleição brasileira foi contaminada por desinformação, insistindo no tema das fake news, que já tinha sido tratado pela ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla?

 

6 – O que você acha que o vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso, pretende ao intimar empresas citadas na campanha do presidente eleito, Jair Bolsonaro, a apresentar documentação considerada inadequada pela área técnica do tribunal?

 

7 – O que sua entrevista com o jornalista José Roberto Guzzo, ex-diretor das redações da Veja e da Exame, traz de novo à discussão sobre política e administração pública no Brasil, abordando especialmente o reajuste concedido pelo Senado aos subsídios dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal?

 

8 – O que, além dos seculares problemas climáticos da região mais tem afligido no momento os agricultores do sertão nordestino neste outono?