Nada de perdão à fraude!

Nada de perdão à fraude!

Maior fraude eleitoral da História do Brasil não devia ser anistiada por causa da crise atual

José Nêumanne

04 de abril de 2017 | 11h31

Flagrante delito: Temer, Santana e Dilma em campanha Foto André Dusek/Estadão

Em flagrante delito: Temer, Santana e Dilma na maior fraude eleitoral da História Foto André Dusek/Estadão

O presidente do TSE, Gilmar Mendes, tem dito que o julgamento da chapa Dilma-Temer levará em conta a situação política delicada no País atualmente, podendo não cassar os direitos políticos dos réus, caso sejam condenados. Muita gente boa e bem intencionada defende este argumento. Eu, contudo, penso que avaliar conjunturas não faz parte dos deveres e prerrogativas do Poder Judiciário. Na vitória da chapa reeleita contestada pelo PSDB, cujo candidato foi derrotado e hoje faz parte do governo, ocorreu a maior fraude eleitoral da História do Brasil e, se a Justiça Eleitoral não levar isso em conta, mais do que a atual conjuntura, tema do samba do crioulo doido, ferirá, primeiramente, o direito da igualdade de todos os cidadãos perante a lei e também sacramentará a interferência indevida de poderes políticos e econômicos na distorção da vontade e da escolha do cidadão, o maior e mais sagrado de seus direitos.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na terça-feira 4 de abril de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique no link abaixo e, em seguida, no ícone de play

Para ouvir Divino Maravilhoso, com Gal Costa, clique aqui

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.