Pelo fim do “Rachid”

Pelo fim do “Rachid”

Achaque de servidores por vereadores, deputados estaduais e federais, prefeitos e senadores é um dos crimes mais asquerosos praticados pela velha política e extingui-lo deveria ser prioridade por governo honesto

José Nêumanne

20 de janeiro de 2019 | 22h07

Movimentação atípica das contas de Queiroz, ex-assessor do filho de Bolsonaro na Alerj, chama atenção para velha prática de políticos desonestos. Foto: Reprodução/SBT

Acredito que em todas as Câmaras e Prefeituras Municipais, além das Assembleias Legislativas do Brasil e também da Câmara dos Deputados e do Senado pratica-se o abominável achaque de servidores por parlamentares, apelidado na gíria de “rachadinha” ou “rachid”. Viva Janaína Paschoal, que denunciou o caso de São Paulo! O escândalo do Rio, que não pode ser comparado com a roubalheira do PT, MDB e PSDB nos quatro mandatos Lula, Dilma e Temer, deveria servir de ponto de partida para por fim a esse crime de peculato. Flávio Bolosonaro errou feio ao apelar para o STF, que não goza de simpatia de nenhum brasileiro decente. E, ao contrário do que O Globo publicou, pessoas são mortas por outras pessoas, e não por armas. Se gostou deste vídeo, por favor, dê um like, compartilhe no Facebook e no Twitter e clique no sininho para ser avisado quando publicar os próximos. Direto ao assunto. Inté. E Deus é mais!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.