Paulo Preto, amigo de Gilmar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Paulo Preto, amigo de Gilmar

Pilhado movimentando dólares da Suíça para Hong Kong, Paulo Preto, escudo de tucanos de alta plumagem e protegido pelo ministro do STF, que foi seu colega no Planalto, está preso

José Nêumanne

25 de junho de 2019 | 11h23

Paulo Preto, escudo dos tucanos mais fortes, protegido por Gilmal e companheiro de falcatruas de Tacla Duran, foragido no exterior e usado para desqualificar Moro. Foto: JF Diorio/Estadão

A notícia da Lava Jato da transferência de US$ 400 mil de uma conta na Suíça de Paulo Vieira de Souza, Paulo Preto, tido como operador de propinas do PSDB, serve para marcar algumas iniciativas fora da curva do ex-vice-presidente da Dersa, atualmente preso. A primeira delas é que, ao contrário dos petistas e outros associados do clube da propina, os tucanos usaram e abusaram de seu fac totum técnico. A segunda é que Gilmar Mendes, do STF, tão rigoroso quando trata de procuradores da Lava Jato e do ministro da Justiça, Sergio Moro, nunca se declarou suspeito quando soltou engenheiro, que conheceu no Planalto no governo FHC, quando era advogado geral da União e o outro, assessor do secretário-geral da Presidência, Aloysio Nunes. E mais: Tacla Duran, advogado que denuncia ex-juiz, é sócio desse réu.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da terça-feira 25 de junho de 2019

1 – Haisem – A que conclusões você chega ao tomar conhecimento da notícia de que o tido como operador tucano Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, transferiu US$ 400 mil de uma conta na Suíça para uma offshore de Hong Kong, que atuava em conjunto com o operador Rodrigo Tacla Duran

2 – Carolina – Daria para você explicar porque o ministro Gilmar Mendes pediu vista do recurso da defesa de Lula à Segunda Turma do STF em dezembro, devolveu o processo um dia depois da divulgação das denúncias do Intercept Brasil e desistiu de fazê-lo hoje

3 – Haisem – Quem tem razão: Bolsonaro que incluiu o tucano João Doria na disputa eleitoral da presidência em 2022, ou o governador de São Paulo que respondeu dizendo que não é hora de eleição, mas de gestão

4 – Haisem – Por que motivo o presidente Jair Bolsonaro se dispôs a vetar o dispositivo da nova lei que regulamenta a gestão das agências regulatórias obrigando-o a escolher seus presidentes numa lista tríplice

5 – Haisem – Que razões pode ter a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para negar extradição de adversário de Ercep Erdogan, ditador da Turquia, preso no Brasil a pedido da Turquia

6 – Carolina – Que novo ângulo você nos traz sobre a recuperação judicial de quase R$ 100 bilhões conseguida pela Odebrecht, protagonista do maior caso de corrupção da História do Brasil

7 – Haisem – Qual é sua opinião sobre a liminar concedida pelo ministro do STF Luís Roberto Barroso que, a pedido dos partidos de esquerda PT e PDT, suspende a transferência da remarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura

8 – Carolina – Que correções você nos traz a respeito do noticiário sobre as revelações lançadas em conta-gotas pelo site The Intercept Brasil extraídas de mensagens do aplicativo russo Telegram em celulares de agentes do combate à corrupção no Brasil

 

Tendências: