Ratos saltando da ratoeira

Ratos saltando da ratoeira

Na corrida para evitarem ser delatados pela Odebrecht, políticos pilantras rasgam Constituição e ameaçam juízes e procuradores

José Nêumanne

30 de novembro de 2016 | 19h10

Deputados agem como ratos para se safar Foto Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Deputados agem como ratos fugindo da ratoeira para se safarem Foto Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A Constituição de 1988, que Ulysses Guimarães chamava de “cidadã”, deu autonomia e poder ao Ministério Público para garantir a cidadania. Bastou que a instituição atuasse nas operações Lava Jato, Zelotes, Acrônimo, entre outras, ameaçando a casta dirigente nacional para que os ratos armassem uma conspiração para tentarem escapulir da ratoeira, desqualificando delitos, reduzindo penas e, sendo impossível anistiar-se a si mesmos, ameaçando juízes e procuradores diligentes com o uso abusivo do poder da maioria oculta e delinquente, só que sem quórum qualificado capaz de reformar a Constituição. Foi assim que projeto para combater a corrupção passou a perseguir quem ousar combatê-la.

(Comentário no Direto da Redação 3 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na quarta-feira 30 de novembro de 2016, às 17h36m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.