Papo furado

Papo furado

Condenado por Moro a mais de 15 anos de prisão, Cunha ainda se finge de perseguido. À toa!

José Nêumanne

31 de março de 2017 | 11h15

Cunha, preso em 19 de outubro de 2011, agora condenado por Moro Foto: Hedeson Alves/EFE

Eduardo Cunha, preso em 19 de outubro de 2011, foi agora condenado por Moro Foto: Hedeson Alves/EFE

Os argumentos que Eduardo Cunha usou contra sua condenação a 15 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro também têm sido usados pelos mais notórios alvos da Operação Lava Jato. Como ele, o ex-presidente Lula não respondeu a uma só acusação objetiva que lhe é feita. Fala apenas em perseguição política e atira farpas e pedras no juiz. E, se em nada resulta a estratégia com Cunha, por que haverá de ser nula em relação a outros, como o ex-presidente e seu poste Dilma, que reage a cada nova informação sobre sua atuação delituosa com palavras vazias sobre honestidade, que os fatos negam? Não é insensato esperar que a mão pesada que sentenciou Cunha também os condene, ora!

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na sexta-feira 31 de março de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no ícone de play

Para ouvir Pega ladrão, com Gabriel Pensador, clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.