Ou blablablá ou bate-boca
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ou blablablá ou bate-boca

Entre papo furado e insultos pessoais grosseiros, STF expõe as vísceras a Nação, dando prioridade a mesquinhos interesses pessoais ou políticos sobre seu dever de assegurar funcionamento das instituições

José Nêumanne

22 de março de 2018 | 12h01

Como se tornou hábito desde o mensalão em conflito com Joaquim Barbosa, Gilmar agora enfrenta Barroso. Foto: Fábio Vieira/Fotorua

Meu Direto ao Assunto abriu o Podcast Comentaristas do Jornal Eldorado, da Rádio Eldorado – FM 107,3 – da manhã da quinta 23 de março de 2018 com os seguintes temas: Cármen Lúcia fez bem em marcar votação do habeas corpus exigido pela defesa de Lula, agora chefiada por seu amigo e padrinho Sepúlveda Pertence, pois não tinha como continuar resistindo, mas na sessão de hoje dificilmente ela conseguirá deter o avanço da pressão de Marco Aurélio Mello e Celso de Mello, além de seus comparsas na tentativa de adiar a execução das penas para as calendas; mais um bate boca entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso expôs à Nação o inédito baixo nível dos supremos juízes da República nesta nossa quadra absurda sob a vigência desta república dos réus; ficou a dúvida se o agendamento do julgamento dos embargos de declaração interpostos pela defesa do Lula para segunda-feira 26 de março influiu na decisão da presidente do Supremo sobre o habeas corpus; o Papa Francisco telefonou para a mãe da vereadora Marielle Franco e Temer, enfim,  foi ao Rio para discutir aspectos que não podem ser negligenciados no financiamento e na ajuda da PF e do Exército na investigação até agora mambembe da investigação do atentado, enquanto, uma semana depois, a polícia noticiou que passou pelo local do crime para observar o local; o apagão do Norte e Nordeste provocado por falha no fornecimento de Belo Monte indicou que o setor elétrico brasileiro funciona num nível de gerenciamento abaixo do esperado: o primeiro presidente a renunciar por estar sendo acusado de receber propina da empreiteira brasileira Odebrecht foi o do vizinho Peru, Pedro Pablo Kuzinski, deixando ver que as instituições do Estado de Direito peruano funcionam melhor do que as nossas; o jornalista William Waack estreou coluna semanal, às quintas-feiras, no Estadão. Alexandre Garcia comentou a luta entre Barroso e Gilmar; o HC de Lula no Plenário do STF; e os governos sem planejamento sob o crivo da palestra do comentarista na Presidência da República. Eliane Cantanhêde abordou a decisão do STF sobre a prisão ou não de Lula, com o plenário do Supremo pegando fogo, dúvidas sobre o resultado e foco em Rosa Weber; restou a dúvida se Cármen Lúcia cedeu às pressões e recuou; o pugilato verbal entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso passou de todos os limites e só piora a imagem de um Supremo tão desgastado; e, enquanto isso, a população do Norte e do Nordeste sofreu apagão… vida dura… Em Direto Da Fonte, Sonia Racy falou sobre uma medida provisória que trata de tributação de fundos de investimentos.

Para ouvir clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.