Onda de vaza dados chega ao Brasil

Informações médicas sob altíssimo sigilo de 16 milhões de brasileiros foram tornadas públicas após vazamento de senha de uso por grupo no Ministério da Saúde durante pelo menos um mês, um absurdo

José Nêumanne

26 de novembro de 2020 | 20h45

egistros têm informações médicas confidenciais de 17 milhões de brasileiros, inclusive as mais altas autoridades da República,, como histórico clínico e remédios usados no paciente Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Ao menos 16 milhões de brasileiros que tiveram diagnóstico suspeito ou confirmado de covid-19 tiveram seus dados pessoais e médicos expostos na internet durante quase um mês por causa de um vazamento de senhas de sistemas do Ministério da Saúde. Entre as pessoas que tiveram a privacidade violada, com exposição de informações como CPF, endereço, telefone e doenças pré-existentes, estão o presidente Jair Bolsonaro e familiares; o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello; outros seis titulares de ministérios, como Onyx Lorenzoni e Damares Alves; o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e mais 16 governadores, além dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Infelizmente o Brasil não é exceção na onda de vaza dados que varre o planeta.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na quinta-feira 26 de novembro de 2020

1 – Haisem – Senha vaza e dados de 16 milhões de pacientes de covid são expostos – Este é o título de notícia destaque na primeira página da edição impressa do Estadão hoje. O que esse episódio lamentável revela neste momento de imensas dificuldades causadas pela pandemia da covid-19

2 – Carolina – Procuradoria afirma que mudanças da Câmara na Lei de Improbidade livra de punição ‘vasto campo de condutas graves’ – Este é título de notícia publicada no Blog do Fausto Macedo e que você tem abordado em seus últimos comentários. Que novidades traz essa nota técnica que agora vem a lume

3 – Haisem – Que conseqüências você espera da indicação do juiz Celso Três, do Rio Grande do Sul, pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, para as apurações muito relevantes da Operação Greenfield, que apura a roubalheira nos fundos de pensão durante os governos Lula

4 – Carolina – Qual a figura histórica que inspira estes passos de Aras, que é petista e foi indicado para comandar o Ministério Público Federal pelo presidente Jair Bolsonaro, desprezando a tradição de o presidente da República sempre indicar um integrante de lista tríplice escolhida pelos procuradores

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.