As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Omissões premiadas, não!

Ao negar redução de penas a cinco delatores em processo contra propinas da Odebrecht em obras da Petrobrás, juíza Gabriela Hardt deixa claro que não aliviará punição a espertalhões das omissões premiadas

José Nêumanne

25 de fevereiro de 2019 | 07h04

Gabriela Hardt decidiu avisar a quem tenta se aproveitar de delações para chantagear suspeitos que não serão premiados. Foto: Ajufe

Ao confirmar as delações premiadas de quatro executivos da Odebrecht num processo da Lava Jato, que tem estado sob seu comando desde que o titular da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, Sergio Moro assumiu o Ministério da Justiça, a juíza substituta Gabriela Hardt manteve as penas decretadas de outros cinco. Ela deixou claro que não cai na conversa mole de delatores que chegam a receber propinas de suspeitos que pagam para ter seus nomes omitidos nos depoimentos deles. O caso clássico da malandragem, que livra a cara de muito bandido esperto e prejudica as investigações de MPF e PF, é o de Joesley Batista, que infelizmente não está nas mãos da juíza, mas do leniente STF. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da segunda-feira 25 de fevereiro de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: