Ódio bolsonarista custa caro

QG dos influenciadores bolsonaristas nas redes sociais é pago com dinheiro público, vizinho do gabinete do presidente no Planalto e seus ocupantes recebem 100 mil reais por mês por informações privilegiadas

José Nêumanne

04 de dezembro de 2020 | 21h31

O presidente Jair Bolsonaro prestigiou e apoiou várias manifestações contra Congresso e STF e a favor da intervencão militar como esta defronte ao Quartel General do Exército em Brasília Foto: Gabriela Biló/Estadão

O inquérito sigiloso dos atos antidemocráticos, aberto em abril para apurar a organização e o financiamento de manifestações contra a democracia, revela que um negócio muito lucrativo estava por trás dos protestos contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso: os influenciadores investigados faturavam até 100 mil reais por mês. O que mais impressionou foi a descoberta dos repórteres Patrik Camporez, Breno Pires e Rafael Moraes Moura, do Estado de S.Paulo em Brasília, de que informações usadas por uma rede de canais no YouTube, investigados por promover esses atos no País, saíram de dentro do Palácio do Planalto. A conclusão consta de inquérito com 1.152 páginas, ao qual o Estadão teve acesso. Até quando o mugido do gado irracional bolsonarista evitará que os donos da Pátria escutem o clamor?

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da sexta-feira 4 de dezembro de 2020:

1 – Apoiada pelo Planalto, rede do ódio lucra com canais antidemocracia – Esta é a manchete de primeira página da edição de hoje do Estadão. A que conclusão se pode chegar desta notícia chocante, mas nunca surpreendente

2 – Lira faturava 500 mil reais por mês com desvio, diz Procuradoria Geral da República – Este é o título de chamada de primeira página do jornal hoje. Qual a revelação inédita a respeito do líder do Centrão que o presidente Jair Bolsonaro apoia para substituir Rodrigo Maia na presidência da Câmara dos Deputados

3 – PIB cresce 7,7%, mas perdas não são repostas – diz outra chamada do alto da primeira página da edição impressa do Estadão. O que nos espera agora com esta alta de casos de covid 19, seja ela segunda onda, como atestam os cientistas, ou quarta onda ou repique, como prefere definir o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

4 – Pfizer vende vacina a países latinos e dá prazo ao Brasil – Este é o título de outra chamada de primeira página no jornal. A que nos levará a crueldade deste governo federal, como define o título do editorial da edição do Estadão de hoje

5 – Doria fala em vacinar paulistas em janeiro – Este é o título de chamada de primeira página. A seu ver, existe mesmo esta possibilidade ou o governo federal poderá encontrar um meio para impedi-la

6 – “Tudo o que falei deu certo”, disse o presidente Jair Bolsonaro a seus seguidores na porta do Palácio da Alvorada. O que foi mesmo que aconteceu conforme ele previu a respeito da pandemia da covid 19, hein?

SONORA É o Brasil, né?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.