O papelão do STF

O papelão do STF

Gilmal Mendes só não conseguiu objetivo pretendido por defesa de Lula, soltá-lo, porque contou com coragem que decano Celso de Mello não tinha

José Nêumanne

26 de junho de 2019 | 17h48

,Durante sessão da Segunda Turma, Gilmal Mendes e advogado de Lula fizeram tabelinhas precisas com objetivo de soltar Lula. Foto: Gabriela Biló/Estadão

,/O Supremo mostrou no julgamento dos dois habeas corpus da defesa para tentar soltar Lula por que continua não merecendo o respeito e a confiança da sociedade brasileira, em nome de quem dá a última palavra sobre a atuação da Justiça mediando conflitos à luz da Constituição. Comprovando sua mediocridade resolveu tudo pela metade: manteve Lula preso, mas abriu a janela para que possa vir a soltá-lo depois das férias dos ministros. Gilmar tornou-se mero auxiliar da defesa do réu, tentando enrolar os colegas com a lorota de que o petista teria julgamento justo e, para tanto, precisava esperar o veredito solto. Contava com o voto decisivo do decano que manteve o ex preso por 3 a 2, mas já antecipou o voto no mérito, dizendo que pode votar diferente e oferecendo uma oportunidade para vir a ser considerado suspeito na votação final se forem seguidos à risca a Constituição, o estatuto do STF e a Lei Orgânica da Magistratura, por mais do que evidente quebra de decoro. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

,

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.