O irmão “Metralha” de Lula
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O irmão “Metralha” de Lula

Sindicalista e comunista, José da Silva, codinome "Metralha", recebeu mesadas que somaram mais de milhão de reais em 13 anos da Odebrecht para agradar ao irmão presidente

José Nêumanne

10 de setembro de 2019 | 11h11

Frei Chico, sindicalista do Partido Comunista, recebeu mesada por 12 anos (e mais ded R$ 1 milhão) da Odebrecht desde que mano Lula virou presidente. Foto: Monalisa Lins/AE

José Ferreira da Silva, conhecido como Frei Chico por causa da tonsura franciscana natural no crânio, nunca foi santo. Militante do Partido Comunista na ditadura militar, entrou para a História por ter convencido o irmão Lula a entrar no sindicalismo. Quando este assumiu a Presidência da República em 2002, ele passou a receber RS$ 3.000 mensais de mesada, aumentada para R$ 5 mil em 2007 e o “pacote de propina” só foi suspenso 12 anos depois, em 2015, perfazendo R$ 1.131.333,12. Nem o Vaza Jato impediu que a Lava Jato paulista denunciasse irmãos Lula e “Metralha” por corrupção passiva continuada. Apois.

Assuntos para comentário de terça-feira 10 de setembro de 2019

1 – Haisem – Por que razão o irmão de Lula, Frei Chico, líder sindicalista ligado ao Partido Comunista e responsável pela entrada dele no sindicalismo, e o próprio petista foram indiciados pela Operação Lava Jato de São Paulo sob acusação de ter recebido propina da Odebrecht

2 – Carolina – Por que Luciano Bivar, presidente do PSL, partido pelo qual se elegeu o presidente Jair Bolsonaro, escalou o senador Flávio Bolsonaro, primogênito deste, para atuar contra a criação da CPI dita do Lava Toga no Senado

3 – Haisem – Faz algum sentido para você essa rebelião raivosa de procuradores contra a escolha por Bolsonaro de Augusto Aras para chefiar a Procuradoria-Geral da República

4 – Carolina – A velha Contribuição Provisória de Movimentação Financeira, com nova denominação, Imposto sobre Transações Financeiras, resolveria a crise fiscal do governo, como propõe o ministro da Economia, Paulo Guedes

5 – Haisem – Que representatividade popular, autoridade moral ou força política o vereador do PSC do Rio Carlos Bolsonaro tem para decretar que não haverá transformação rápida desejada por vias democráticas e que conseqüências a declaração produzirá

6 – Carolina – O que motivou a conversa revelada em vídeo na televisão entre os presidentes da França, Emmanuel Macron, e do Chile, Sebastian Piñeira, e a primeira ministra da Alemanha, Angela Merkel, a respeito da grosseria do presidente Jair Bolsonaro em relação à esposa do primeiro, Brigitte Macron

7 – Haisem – O que o surpreendeu no discurso da ex-presidente do Chile Michelle Bachelet na abertura da 42.ª sessão da Comissão de Direitos Humanos da ONU

8 – Carolina – Qual é o assunto de seu artigo semanal publicado desde ontem no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão e no site Estação Nêumanne

Tendências: