As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O ensaboador-geral da República

No momento em que combate à corrupção sofre ataque de suspeitos, assustados, acusados, processados e condenados por corrupção no Congresso, novo procurador-geral da República encontrou meios para agradar a todos

José Nêumanne

25 de setembro de 2019 | 20h38

Aras passou pela CCJ do Senado como um “maria-vai-com-as-outras”, encontrando sempre um conceito dúbio para agradar a gregos e troianos, apóstolos e publicanos. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O respeitado jurista pernambucano Geraldo Brindeiro, ao passar pela Procuradoria-Geral da República no governo Fernando Henrique, ganhou o desagradável apelido de “engavetador-geral” pela enorme quantidade de processos que mandou arquivar. O baiano Augusto Aras, que nunca se destacou como jurista, mostrou na sabatina a que foi submetido na CCJ do Senado que pode vir a ser chamado jocosamente de “ensaboador-geral”, tanto esforço fez para agradar ao máximo possível de senadores. Ganhou, só teve dez votos contra, mas deixou a pior impressão.

Tendências: