O coitadismo de Lula
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O coitadismo de Lula

Vendo se esgotarem chances de chicanas serem aprovadas, defesa do petista apela agora para piedade dos juízes dos altos tribunais inventando a lorota de que réu está à beira de um ataque de nervos

José Nêumanne

10 de dezembro de 2018 | 06h50

Asseclas de Lula agora apelam para piedade dos amigões dos tribunais para tirá-lo da cela onde cumpre pena. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Derrotados impiedosamente na eleição, os asseclas de Lula da Silva recarregam as baterias e voltam à velha cantilena do Lula Livre, agora baseados na piedade que esperam despertar em amigões das supremas cortes do Judiciário para evitar que a pretensa depressão de que dizem que seu líder está sofrendo termine em tragédia. A campanha não tem o menor sentido nem merece a mínima atenção: o petista não está na cadeia por ser perseguido político da elite dominante na política brasileira, à qual, diga-se de passagem, ele pertence, mas por ter chefiado uma quadrilha que saqueou todos os cofres da República e perdeu a eleição presidencial exatamente porque o eleitorado sabe disso. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da segunda-feira 10 de dezembro de 2018.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player