O cão de guarda de Temer
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O cão de guarda de Temer

Cuspindo e rosnando, Marun defende Temer nos fiascos de Cristiane Brasil, Fernando Segóvia e reforma de Previdência

José Nêumanne

12 Março 2018 | 17h58

Com a mesma ferocidade com que defendeu Cunha, Marun tenta proteger Temer com unhas e dentes. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Em discurso numa reunião de municípios na Assembleia Legislativa de São Paulo, o cão de guarda de Temer, Carlos Marun, secretário de governo, cumpriu sua tarefa de cuspir e rosnar denunciando pela enésima vez a declaração de guerra de uma parcela do Ministério Público e do Judiciário contra os políticos em geral e seu amado chefe. Michel Temer, em particular. Em seu destempero costumeiro, ele resgatou o fiasco da nomeação de Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho e disse que o inquérito policial sobre corrupção no Porto de Santos é desperdício de dinheiro público. O antigo criado de quarto de Eduardo Cunha, contudo, não justificou sua permanência no governo após o malogro da reforma da Previdência, para cuja aprovação ele tinha sido nomeado para comandar uma pasta para qual não tem a mínima aptidão. Este e a última convocação da seleção brasileira para a Copa da Rússia foram assuntos abordados em meus comentários e a opinião de Robson Morelli, editor de esportes do Estadão, com ancoragem de Emanuel Bomfim no programa Estadão às 5, transmitido do estúdio da TV Estadão no meio da redação do jornal e com transmissão direta pelos perfis sociais Youtube, Twitter, Periscope Estadão e Facebook na segunda-feira 12 de março de 2018, às 17 horas.

Para ver o vídeo clique aqui