As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Brasil nas mãos do decano

Decisão de Celso de Mello, relator do inquérito das acusações de Moro a Bolsonaro, de permitir que qualquer brasileiro possa ver e ouvir o pandemônio imposto por um desgoverno pode definir destino do País

José Nêumanne

14 de maio de 2020 | 21h25

Decano do STF, Celso de Mello, decidirá sobre acesso do cidadão comum a reunião do conselho que desgoverna o País e isso não pode ter exibição proibida. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A salvação da Pátria da enorme vergonha, que atualmente passa nossa Pátria no mundo inteiro, depende da decisão sábia e firme do ministro do STF Celso de Mello, relator do inquérito em que MPF e PF investigam as acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sérgio Moro contra o presidente da República, Jair Bolsonaro. Caber-lhe-á decidir se vai derrubar, ou não, o sigilo de Justiça da gravação em som e imagem da reunião de boteco sujo do desgoverno na qual o acusado disse alto e bom som que precisava substituir o superintendente da PF do Rio para proteger sua família e seus amigos. Essa confissão explícita de um crime de advocacia administrativa, que por si só cai como uma bomba sobre a reputação do político mais poderoso do Brasil, já é suficientemente grave para inspirar ao decano a decisão certa. Mas o presidente e seus asseclas, em particular seus ministros generais, deram mais um motivo agora quando do nada inventaram uma narrativa mentirosa de que ele na verdade se referia à segurança institucional à família do presidente. Resta uma explicação a dar: e os amigos, hein? Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver o vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.