O Brasil de Fufuquinha
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Brasil de Fufuquinha

Com Temer na China e Maia na Presidência, juvenil Fufuquinha é reizinho da Câmara. Pode?

José Nêumanne

30 Agosto 2017 | 16h17

Fufuca na presidência da Câmara é o centro das atenções do Congresso Foto: André Dusek/Estadão

O Ministério Público Federal do Amapá (MPF-AP) protocolou na Justiça Federal uma ação para revogar o decreto presidencial que extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca). O episódio retrata o estilo de negaças e circunlóquios do presidente Temer, a submissão dos governos federais a bandidos que extraem madeiras e minérios na floresta amazônica em troca de apoio no Congresso dos parlamentares do Norte. E agora a fórmula da renovação da política faz-se por herança: Sarneyzinho e Coelhinho no Brasil do Fufuquinha. Nele o procurador-geral da República, Janot, denunciou três vezes em oito dias o líder do governo no Senado, Jucá, presidente do PMDB, e este disse que a culpa é do fetiche do procurador por seu bigode. Não é fofo?

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 30 de agosto de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Fixação, com Kid Abelha, clique aqui

 

Abaixo, a íntegra da degravação do comentário:

Eldorado 30 de agosto de 2017

O Ministério Público Federal do Amapá (MPF-AP) protocolou na Justiça Federal uma ação para revogar o decreto presidencial que extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca). O que você tem a dizer sobre mais este episódio do governo Temer?

Na ação, o MPF-AP argumenta que o decreto “é uma afronta à Constituição e mantém o meio ambiente sob ameaça de ecocídio”. A ação sustenta que o novo texto, divulgado na segunda após críticas de ambientalistas e artistas, “não apresenta real modificação do conteúdo do decreto revogado”.

Segundo o MPF-AP, embora a Renca não seja caracterizada como uma unidade de conservação ambiental, é possível classificá-la como espaço territorial especialmente protegido – e, assim, poderia ser alterada apenas por meio de lei específica, conforme a legislação.

Esta semana recebi um WhatsApp de meu amigo Moacyr Franco me pedindo para entrar no assunto. Isso se tornou inevitável depois do rolo todo, que começou com Temer prometendo a Giselle Bundchen que não permitiria o que depois decretaria. Depois, ele fingiu que recuaria, mas estava apenas mais uma vez tentando nos enrolar com sua lábia cheia de dedos. É típico do estilo Temer. Vamos ouvir o Moacir.

SONORA WHATS APP MOACIR FRANCO

Um grupo de parlamentares e associações ligadas ao meio ambiente realizará hoje no Congresso Nacional uma mobilização contra a extinção da Renca e outras iniciativas do governo consideradas nocivas ao meio ambiente. “A Renca é só a ponta do iceberg em meio ao ataque que o governo está promovendo, em vários flancos, ao sistema de proteção ambiental do País”, disse um dos organizadores, Mário Mantovani, da SOS Mata Atlântica.

Em nota, o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) afirmou que “as críticas e os temores infundados” provocados pela notícia da extinção da Renca foram “motivados por mentiras e distorção”.

Episódio retrata o estilo de negaças e rodeios do presidente, a velha submissão do governo federal aos bandidos que extraem madeiras e minérios em nossa floresta tropical para obter apoio no Congresso dos parlamentares do Norte e agora a fórmula da renovação da política brasileira através do amor filial. Sarneyzinho e Coelhinho no país do Fufuquinha. Deus do céu.

Em vídeo gravado na noite de anteontem o presidente Michel Temer afirmou ter “força necessária para resistir” no momento em que a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve apresentar segunda denúncia contra ele. Será que ele tem mesmo ou é apenas bazófia?

A primeira denúncia foi rejeitada pela Câmara dos Deputados em 2 de agosto. O material foi divulgado em redes sociais oficiais, antes de seu embarque para a China, onde participa da Cúpula dos Brics. A previsão é de que a PGR apresente a peça até 17 de setembro, quando termina o mandato do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Sabemos que tem gente que quer parar o Brasil, e esse desejo não tem limites. Quer colocar obstáculos ao nosso trabalho, semear a desordem nas instituições, mas tenho força necessária para resistir”, disse Temer,, destacando que “o momento pede sobriedade, responsabilidade e paciência”. “Nenhuma força me desviará desse rumo”, completou.

O presidente disse ainda que se os brasileiros “estão desconfiados da política é porque já sofreram muito e amargaram grandes decepções”. “Mas no fim sempre torcem para dar certo. Vai dar certo. Não vamos deixar que a agenda negativa venha abater o nosso ânimo”, afirmou Temer.

Tudo não passa de lorota. Sinceramente, está duro de engolir essa farofa.

O líder do governo no Senado Federal, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou em entrevista nesta terça-feira, 29, que o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, tem uma “fixação” nele e, talvez, até um “fetiche” em seu bigode. Até que ponto pode chegar o nível desse debate?

Segundo Jucá, Janot começou bem na Procuradoria, mas está deixando o cargo em 17 de setembro de forma “melancólica, lamentável e triste”. Tudo porque o procurador apresentou a terceira denúncia contra ele nestes oito dias, dessa vez, com base na delação da Odebrecht. E ele ainda provocou Janot dizendo que é casado. Francamente…

SONORA 3008 JUCÁ

Essa história chega a ser pornográfica. Primeiro, foi a suruba seletiva, agora o fetiche no bigode, que, na certa , Caju acha bonito, sensual e poderoso. O cara é líder do governo no Senado; Gutemberg Guarabyra postou um tweet afirmando Temer na China, Rodrigo Maia na presidência, Fufuquinha na presidência da Câmara. Onde estás, Jesus? É por aí.

Na Câmara dos Deputados, o presidente interino, André Fufuca, passou o dia recebendo prefeitos do Maranhão e, no início da tarde, soube que não poderia votar a reforma política por falta de acordo.

SONORA 3008 FUFUCA

É trágico viver no Brasil do Fufuquinha, onde o bigode do Jucá Caju reina, impávido colosso. Ao acompanhar a ação do filho de Fufuca na presidência da Câmara, lembrei-me de como seria o parlamentarismo, ou mesmo o semiparlamentarismo no Brasil, com premiês como Severino Cavalcanti, Waldir Maranhão, Carlos Mansur, Delcídio Perondi, Beto Mansur, Edison Lobão, Eunício Oliveira e agora André Fufuca. Como dizia meu amigo Mauro Guimarães, a pré-racionalidade política do povo é muito maior do que a sapiência dos políticos. Por isso, em 63, o plebiscito deu três quartos de votos ao presidencialismo. Em 21 de abril de 93, na revisão constitucional, o presidencialismo ficou com 55,4 % e o parlamentarismo com 24,6%. A tentativa de mudar sistema de governo agora é, como diria a senadora Fátima Bezerra, gópi.

O ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, revelou vídeos em que políticos da região faziam filas para pegar dinheiro vivo em encontros reservados, no Palácio Paiaguás, sede do governo estadual.  Ver os vídeos exibidos na Globo é o mais recente exercício de vergonha alheia no Brasil do Fufuquinha, você não acha?

O ex-governador alega que  as gravações foram feitas pelo então chefe de gabinete Silvio Cesar. As revelações do ex-governador foram classificadas de ‘monstruosa delação’ pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que na sexta-feira, 25, autorizou abertura de inquérito contra um grupo de políticos de Mato Grosso, entre eles Blairo Maggi, a quem a Procuradoria atribui o papel de ‘liderança’ de organização criminosa que se instalou na administração pública estadual.

Entre os políticos flagrados nas imagens estão o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), que chegou a colocar tantas notas em seus bolsos que parte delas caiu no chão. O vídeo mostra Emanuel agachando-se para juntar as cédulas espalhadas. O deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) aparece nas imagens às quais a Rede Globo teve acesso recebendo o dinheiro em uma caixa de papelão, O então deputado estadual Hermínio Barreto (PR) é flagrado com os maços em uma mala. A atual prefeita de Juara (MT), Luciane Bezerra (PSB) também pode ser identificada no vídeo levando o dinheiro na bolsa. O ex-deputado estadual Alexandre César (PT) aparece levando notas em uma mochila. O deputado estadual Aírton Mondina Luiz, conhecido como Airton Português, recebe ajuda de sua irmã, Vanice Marques, para embolsar o dinheiro.

Em vez das platitudes que falou no vídeo antes dessa viagem pra China, Temer deveria anunciar a demissão de seu ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o oitavo envolvido em escândalos de corrupção em seu ministério.

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou a suspensão do pagamento de gratificação a juízes e desembargadores do Acre que lhes garantia aumento de 40% nos salários por terem curso superior. Na mesma decisão, o ministro manda que devolvam cinco anos dos valores recebidos com juros e correção monetária. Você acha isso certo?

O ministro atendeu a uma ação popular que apontou ilegalidade nos pagamentos. Uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa do Acre previa o pagamentos adicional aos servidores com curso superior. Mas em abril de 1996, o Tribunal de Justiça do Acre  imprimiu o “Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Acre” incluindo os magistrados no artigo que beneficiava apenas os servidores, sem que o adendo tivesse sido votado pelos deputados estaduais.

Na decisão, o ministro diz que “as gratificações de nível universitário, não são apenas ilegais, como também descaradamente inconstitucionais”.

O caminho é o indicado por Gilmar nesta decisão. Desautorizar os penduricalhos. Transparência, como prega Cármen Lúcia, a nada leva. De que adianta a gente saber quanto paga a um juiz se não pode parar de pagar? Aliás, ontem ela agradeceu o trabalho dos magistrados, e disse que eles sempre poderão contar com ela. Mereceram menção especial os juízes federais e trabalhistas. Ela afirmou que, sem um Judiciário forte, livre e imparcial, não há democracia. Coisas da Carminha. Ninguém está negando o papel dos juízes. Isso, contudo, não justifica descumprir a Constituição para ganhar acima do teto. Combater a corrupção é meritório, mas aceitar salários absurdos acima do teto também depaupera a República empobrecida.
Foi noticiado ontem que a divida da Oi com a Anatel vai fazer parte do processo de recuperação judicial da operadora por decisão da 8.ª Câmara Civel do Tribunal do Estado do Rio de Janeiro. O que você estranha nisso?

Tem uma coisa muito estranha nisso mesmo. A divida da Oi contra a Anatel, é um direito da União e não deveria ser julgada na justiça estadual e sim na justiça federal. Direito da União é de competência federal.

Decisões como essa afastam o governo do que teria que fazer, que seria  ontervenção na Oi ou sua reprivatização. Kassab e Juarez Quaquaquadros não permitem que isso acontece e ficam transferindo a conta para pagarmos. Este é mais um escândalo para as contas de ambos e de Temer, que está de mãos atadas, porque Kassab é importante para o governo porque a bancada dele apoia o presidente e impede que ele seja afastado para ser investigado pelo STF, como pede Janot.

SONORA Fixação Kid Abelha

https://www.youtube.com/watch?v=5KOJJlO2OsU