As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Ato 5 do tirano Toffoli

Enquanto defendia a democracia e execrava o AI 5 da ditadura publicamente, presidente do STF articulava no CNJ, que também preside, norma tirânica para impedir a livre manifestação de juízes

José Nêumanne

20 de dezembro de 2019 | 17h58

Enquanto prega a democracia e execra AI 5 da ditadura, Toffoli exerce sua tirania usando CNJ, que preside, para amordaçar juízes de forma cínica. Foto: Felipe Rau/Estadão

Em obediência a uma proposta feita por seu presidente, Dias Toffoli, o CNJ adotou normas restritivas à expressão de opiniões de juízes a respeito de processos que eles ou colegas estejam julgando. Trata-se de uma versão contemporânea do AI 5 da ditadura militar, que o presidente do STF e vários outros democratas de ocasião professaram quando houve manifestações de alerta sobre a possibilidade de sua reedição por Eduardo Bolsonaro e Paulo Guedes. Obediência ao patrão mostra que o advogadinho do PT é tão impopular quanto poderoso, cada vez mais, neste momento em que a elite dirigente morre de medo das ações de combate à corrupção por PF, Lava Jato e juízes federais e conta sempre com a clemente leniência das chamadas altas cortes. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: