No Brasil do STF, o crime compensa

Em sintonia com os chefões partidários que os indicaram para a Corte, ministros do Supremo levaram em conta suas inimizades pessoais com ex-juiz e sua simpatia política e pessoal com o réu

José Nêumanne

24 de abril de 2021 | 22h52

Moro foi julgado suspeito por parcialidade na condenação de Lula por mensagens roubadas de interceptações telefônicas ilegais, não pelo cotejo das provas coletadas com sua sentença. Foto: Dida Sampaio/Estadão

1 – Por #7a2, o #stf, sem julgar se #lula cometeu, ou não, crimes, mas a competência da #13.ªvarafederal de #curitiba, concluiu que #sergiomoro, ex-titular dela, foi parcial no julgamento do processo, mostrando que a #cleptocracia, #governodosladrões, é o verdadeiro #sistemapolitico vigente no #brasil. 2 – A respeito, o acadêmico #joaquimfalcao escreveu no #estadao que a insegurança jurídica é que manda aqui, 3 – No momento em que a covid matou 3 vezes mais que a #bombaatomica #norte-americana em #hiroshima (140 mil mortos) no #japao, o economista #fabiogambiagi previu que nossos netos nos perguntarão “como foi que isso aconteceu”? 4 – A #policiafederal, sob #jairbolsonaro, prendeu e investigou menos do que no governo anterior, de #micheltemer. #joseneumannepinto. #diretoaoassunto. Inté. E só a verdade salvará as nossas vidas.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.