Não há lugar para omissões

Maierovitch avisou aos deputados que o presidente da Câmara, Arthur Lira, está abusando de seu poder discricionário de abrir processos de impeachment de Bolsonaro, arriscando-se até a perdê-lo

José Nêumanne

12 de julho de 2021 | 17h55

Ao engrossar em ataques aos Poderes Judiciário e Legislativo e tomando conhecimento do derretimento acelerado de sua viabilidade eleitoral, Bolsonaro, isolado, apela para a autopiedade. Foto? Gabriela Biló/Estadão

O desembargador aposentado Walter Maierovitch informou que Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, corre o risco de se tornar cúmplice de Bolsonaro se continuar negando-se a abrir o processo de  impeachment. O protagonista desta semana da série Dois dedos de prosa falou sobre seu livro Mpafia, poder e antimpafia, e aproveitou para dar esse recado aos deputados federais. No editorial Muito mais do que apenas desgoverno, o Estadão registrou: “À Nação é devida a responsabilização de todos os que transformaram o que seria uma grave crise sanitária no maior morticínio já visto por muitas gerações … Fundamentais também são os papéis do Ministério Público e do Poder Judiciário para denunciar, processar e julgar quem quer que tenha agido contra a saúde e a vida dos brasileiros. Não há lugar para omissões.”

Assuntos para comentário na segunda-feira 12 de julho de 2021

1 – Lira, cúmplice de Bolsonaro, diz Maierovitch – Este é o título de seu vídeo semanal no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão deste 12 de julho de 2021. Qual é a contribuição que o desembargador paulista especializado em organizações mafiosas traz à busca de uma saída à resistência do Centrão à vontade majoritária da Nação de que seja debatido na Câmara dos Deputados o impeachment do presidente Jair Bolsonaro

2 – Em que dados da realidade se baseiam 54% para quererem o impeachment e 70% dos brasileiros ouvidos pelo Instituto DataFolha chegarem à conclusão de que há corrupção no governo Bolsonaro e em que essas constatações agora podem influir no resultado da eleição em 2022 e no destempero atual do presidente

3 – Que justificativas você acha que tiveram as promotoras do Ministério Público do Rio de Janeiro que trabalhavam na investigação sobre os mandantes da execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, Simone Sibílio e Letícia Emile, para abandonarem o caso de repercussão internacional

4 – Que punições você acha que o advogado de Jair e Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, merece sofrer pelas ameaças que fez diretamente pelo Twitter à colunista do UOL Juliana Dal Piva, que trouxe a lume denúncias sobre peculato do presidente da República quando exercia mandato na Câmara dos Deputados

5 – O Brasil será o centro do mundo, diz Caldeira – De onde o autor do best seller Mauá, Empresário do Império tirou tanto otimismo sobre nosso futuro em seu último livro, O Paraíso Descartável, na série Nêumanne Entrevista desta semana, publicada no fim de semana no Portal do Estadão.

6 .- Quais as lições que podemos tirar das conquistas da excelente seleção italiana na Eurocopa da Uefa e do time bem fraquinho da Argentina de uma Copa América de baixíssimo nível técnico para a disputa da Copa do Mundo no Qatar no ano que vem

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.