Não foi fatalidade, não!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não foi fatalidade, não!

Como incêndios no Museu Nacional e no CT do Flamengo e arrombamentos das barragens de Minas, colisão de trens da SuperVia na estação de São Cristóvão, no Rio, não foi fatalidade, mas tem culpados

José Nêumanne

28 de fevereiro de 2019 | 11h42

Curiosos observam bombeiros socorrendo maquinista da SuperVia, que morreu na colisão de trens na estação de São Cristóvão, no Rio. Foto: Fábio Motta/Estadão

A colisão entre dois trens de subúrbio da SuperVia, que transitavam na direção de Marechal Deodoro na movimentada estação de São Cristóvão na manhã de quarta-feira, 27 não pode ser definido como uma fatalidade a exemplo do que já tem acontecido com incidentes similares, como os incêndios do Museu Nacional e do CT do Flamengo, todos no Rio. Da mesma forma como o arrombamento das barragens da Samarco em Mariana e da Vale em Brumadinho, a morte do maquinista Rodrigo Assunção não resultou de um acidente natural, mas, sim, de incúria, desleixo e incompetência da empresa, cuja acionista majoritária é a Odebrecht, comprometida no escândalo de corrupção devassado pela Lava Jato.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

 

Assuntos para o comentário da quinta-feira 28 de fevereiro de 2019:

1 – Haisem – O que há de comum entre a colisão de trens de subúrbio da Supervia na Estação de São Cristóvão no Rio ontem, os incêndios do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista e do CT do Flamengo e os arrombamentos da Samarco e da Vale em Minas?

2 – Carolina – O que ainda dizer da revelação feita pelo jornal O Globo de que a OAS pagou 125 milhões de reais de propinas a 21 políticos, entre os quais Rodrigo Maia, José Serra, Jaques Wagner, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral?

SONORA_CABRAL 2802 B

3 – Haisem – Em mais um recuo, o Ministério de Educação desistiu de pedir às escolas que filmassem crianças cantando o Hino Nacional. Você diria que o ministro Vélez Rodríguez tem convicções tênues ou está a fim de causar, seja qual for o motivo?

4 – Carolina – A agência de risco Moodys rebaixou a nota da avaliação da Vale por causa do desastre de Brumadinho, o STF mandou soltar os funcionários da Vale que estavam presos e a SOS Mata Atlântica divulgou o atestado de morte do Rio Paraopeba. O que há de comum entre essas notícias?

5 – Haisem – Qual é a pedra de toque da entrevista da semana no Blog do Nêumanne com o jornalista e poeta baiano Fernando Coelho?

6 – Carolina – Enfim, há algo a comemorar na economia, o lucro de 28 bilhões de reais da Petrobrás após 4 anos de prejuízo?

7 – Haisem – O que há de mais errado na notícia de que o candidato do PSDB apoiado pelo PT à presidência da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Cauê Macris, repassou 266 mil reais do dinheiro arrecadado para a campanha para uma empresa da qual é acionista?

8 – Carolina – Por que o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo trancou ação contra Fernando Haddad por corrupção e lavagem de dinheiro pelo pagamento de dívidas de campanha com caixa 2?

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.