Não dá para perdoar Bolsonaro

Não dá para perdoar Bolsonaro

Enquanto pandemia matava mais de mil brasileiros por dia na virada do ano, presidente passeava de barco ao largo da Praia Grande, pulou na água e nadou para aglomerar com apoiadores sem nenhum cuidado

José Nêumanne

05 de janeiro de 2021 | 23h33

Bolsonaro foi do barco, em que passeava ao largo da Praia Grande, para aglomerar sem máscara nem mínimo isolamento social, com apoiadores seminus, suados e berrando impropérios contra adversários. Foto:PR

1 – O espetáculo grosseiro e grotesco, encenado pelo presidente, ao nadar até a praia e aglomerar com apoiadores de sunga e maiô gritando e jorrando perdigotos capazes de contagiar com novo coronavirus é inoportuno, inaceitável e imperdoável. 2 – Co-autor do impeachment de Dilma, Reale Jr. alerta para golpe do “sem voto impresso não tem eleição” em 22, tramado pelo chefe do governo. 3 – Donald afunda no próprio cuspe e esperamos que pato dele nos trópicos aprenda com fracasso na tentativa de anular eleição. 4 – Esquerda critica Gabeira que, segundo ela, ajudou a eleger o capitão golpista, mas, de fato, quem o levou à vitória foram corruptos Lula e seus asseclas do PT, Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.