As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ministro sem compostura

Ao confundir Kafka com Kafta, Weintraub revelou-se inculto, ao escrever insitar, de alfabetização deficiente, e agora ao distribuir telefones da deputada Tabata Amaral confirmou que, além de incapaz é cafajeste

José Nêumanne

23 de maio de 2019 | 07h02

De origem humilde, medalhista de Olimpíadas de Matemática, estudante de Harvard, deputada Tabata Amaral é vítima de ministro cafajeste. Foto: Bruna de Alencar/Estadão

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, já deu várias manifestações de ignorância, como ao chamar Kafka de Kafta e escrever incitar com esse, e de cara-dura, ao encontrar desculpa esfarrapada para a confusão em torno do contingenciamento das verbas das universidades federais. Agora ele bateu todos os recordes de desrespeito ao distribuir aos presentes a uma reunião da Comissão de Educação da Câmara os números de telefones da deputada Tabata Amaral e de seus assessores. No cargo ele acrescenta cafajestice a sua notória falta de educação. Este é meu comentário no Estadão Notícias no Portal do Estadão desde 6 horas da quinta-feira 23 de maio de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Tendências: