‘Migué’ no Judiciário
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Migué’ no Judiciário

Corregedor do CNJ pede esclarecimentos a Favreto, Gebran e Moro, como se os autores do golpe fajuto para tentar soltar Lula no plantão não tivesse sido planejado pelos Três Patetas do PT Pimenta, Teixeira e Damous

José Nêumanne

19 Julho 2018 | 17h38

Nos últimos meses a sociedade tem a impressão de que só Lula ocupa a cúpula do Judiciário, como se este não tivesse mais o que fazer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ministro João Otávio de Noronha, corregedor do Conselho Nacional de Justiça, intimou os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) Rogério Favreto e João Pedro Gebran Neto, além do juiz Sergio Moro, a darem esclarecimentos sobre o truque vagabundo com que o primeiro deles tentou soltar no plantão de domingo o presidiário mais famoso do Brasil, Luiz Inácio da Silva. A corporação judiciária está, como de hábito, dá um “migué”. Qualquer leigo sabe que o golpe malsucedido foi uma tramoia combinada com três patetas, Paulo Pimenta, Paulo Teixeira e Sadih Damous, com o aloprado Favreto. Se era para investigar sem chover no molhado, correto seria revelar o que de fato houve. O resto é lorota corporativista. Este é um dos meus comentários que fiz no Estadão às 5, ancorado por Emanuel Bomfim, transmitido pela TV Estadão do estúdio da redação e retransmitido por Youtube, Twitter e Facebook na quinta-feira 19 de julho de 2018, às 17 horas.

Para ver clique aqui