Maximiano, elo entre Flávio e Barros

Os negócios de Maximiano com o governo, ao qual foi, levado pelo primogênito de Bolsonaro, passaram de R$ 26 milhões fornecendo preservativos para R$1,6 bilhão intermediando compra de vacina

José Nêumanne

28 de junho de 2021 | 19h21

Flávio Bolsonaro, acusado de extorsão de funcionários do gabinete na Alerj, agora é alvo da CPI da Covid no Senado por patrocinar a causa do atravessador da compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde. Foto: Wilton Jr./Estadão

No centro das suspeitas envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin, a Precisa Medicamentos teve um salto em seus negócios no governo do presidente Jair Bolsonaro Antes dele, a empresa havia assinado apenas um contrato, de R$ 27,4 milhões, para fornecer preservativos femininos ao Ministério da Saúde. Desde 2019, primeiro ano da atual gestão, ela fechou ou intermediou compra da vacina na qual foi empenhado 1,67 nilh~so. Além disso, seu proprietário, Francisco Maximiano também teve acesso a outros ministérios, ao BNDES e à embaixada do Brasil na Índia, conforme confessou o responsável pelos contatos, o filho mais velho do presidente, senador Flávio Bolsonaro, que confessou à CPI da Covid no Senado ter levado pessoalmente o encalacrado empresário ao presidente do BNDES.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na segunda-feira 28 de junho de 2021

1 – Haisem – Intermediária da Covaxin prosperou sob Bolsonaro – Esta é a manchete da primeira página da edição impressa do Estadão deste 28 de junho de 2021. A que conclusão qualquer brasileiro sensato pode chegar ao ler uma notícia como essa neste momento

2 – Carolina – Que motivos você acha que o presidente da Câmara, Arthur Lira, teve para retirar o deputado Luís Cláudio Miranda da relatoria da reforma tributária e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a permitir o bloqueio do irmão dele, servidor de carreira Luís Ricardo Miranda do sistema nos computadores da pasta

3 – Haisem – O que motivou, a seu ver, a nomeação da mulher do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, para um cargo de 27 mil reais por mês na Itaipu Binacional

4 – Carolina – Tornozeleiras circulam no Congresso – Este é o título do post da série Nêumanne Entrevista no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão com a senadora Simone Tebet, protagonista da revelação de que o presidente Bolsonaro teria dito aos irmãos Miranda que o empenho de 1 bilhão e 600 milhões de reais para a compra da vacina indiana Covaxin resultaria de um “rolo” do líder de seu governo na Câmara

5 – Haisem – Vital tem compromisso com a democracia – Este é o título de outro post da série Nêumanne Entrevista no Blog do Nêumanne nesta semana com o relator da pandemia da covid 19 no Tribunal de Contas da União, Vital do Rego Filho. De que vocês trataram na entrevista

6 – Carolina – Política é briga de gangs, diz Ana Franco – Este é o título do vídeo da série Dois Dedos de Prosa desta semana no Blog do Nêumanne no Portal do Estadão. Qual é o assunto dessa sua conversa com a dona do espaço cultural República no Largo do Pelourinho, em Salvador

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.