Manobra escusa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Manobra escusa

PT usou deputados federais e desembargador militante para tirar Lula da prisão, não conseguiu, mas tirou presidenciável do partido do ostracismo a que também estava condenado

José Nêumanne

09 Julho 2018 | 06h50

Desembargador Favreto saiu do PT antes de ser nomeado por Dilma para TRF/4; Foto: Sylvio Sirangelo/TRF-4

Manobra para soltar Lula no plantão de domingo do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, de Porto Alegre, foi escusa do planejamento até a execução. O pedido do habeas corpus não foi feito pela equipe habitual que defende o ex-presidente, mas por três deputados federais do Partido dos Trabalhadores que também são advogados. Foi acatado pelo desembargador Rogério Favreto, que alegou fato novo, que não existia, a pré-candidatura do petista, e desconheceu decisões anteriores dos próprios colegas e das instâncias superiores. Suspensa por decisão do presidente do TRF-4, Thompson Flores, ela terminou servindo à segunda intenção de por o preso de volta aos holofotes. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da segunda-feira 9 de julho de 2018.

Para ouvir no Blog do Nêumanne, Politica, Estadão, clique aqui