As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mais canhões e menos escolas

Brasil não trava guerra a não ser contra inimigos de Bolsonaro inventados pelo "gabinete do ódio" e instrução pública vive na penúria, mas verbas sobram na Defesa e minguam na Educação

José Nêumanne

17 de agosto de 2020 | 20h40

 

Bolsonaro, que foi ao Rio para participar de solenidade na Brigada de Paraquedistas, na qual conheceu Fabrício Queiroz, hoje protagonista de escândalo de peculato na Alerj com primogênito do presidente. Foto: Marcos Corrêa/PR

O Ministério da Defesa terá um acréscimo de 48,8% em relação ao orçamento deste ano, passando de R$ 73 bilhões para R$ 108,56 bilhões em 2021. Já a verba do Ministério da Educação deverá cair de R$ 103,1 bilhões para R$ 102,9 bilhões. Como a única guerra travada pelos generais no governo é contra os inimigos criados pelo “gabinete do ódio”, aumento da verba engordará soldos e soldados. Os valores, não corrigidos pela inflação, consideram todos os gastos das duas pastas, desde o pagamento de salários, compra de equipamentos e projetos em andamento, o que inclui, no caso dos militares, a construção de submarinos nucleares e compra de aeronaves. Os reitores de universidades federais alertaram que a redução do dinheiro pode inviabilizar atividades nas instituições. Ou seja, a instrução pública viverá à míngua.

Assuntos para comentário da segunda-feira 17 de agosto de 2020:

  – Haisem – Defesa deve ter mais dinheiro do que Educação – Esta é a manchete da edição impressa do Estadão de hoje. O que, a seu ver, pode justificar essa perspectiva absurda em plena vigência desta pandemia e considerando a falta de qualquer ameaça militar ao Brasil e o estado deplorável de nosso sistema educacional

  – Carolina – O que você tem a dizer sobre a decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, de manter o casal Fabrício Queiroz e Márcia Aguiar em prisão domiciliar anulando o efeito da ordem oposta, dada pelo relator do caso no Superior Tribunal de Justiça, Félix Fischer

 3 – Haisem – Qual é sua opinião sobre o artigo do promotor de Justiça Affonso Ghizzo Neto publicado no blog do Fausto Macedo no portal do Estadão hoje intitulado Um julgamento que vale milhões: como o combate à corrupção pode sofrer um duro golpe?

4 – Carolina – Como você encara a exposição pública do hospital autorizado pela Justiça a fazer o aborto da menina de dez anos estuprada por um tio pela ativista bolsonarista Sara Giromini e o que isso revela sobre o movimento brasileiro hoje

5 – Haisem – Sobra recurso para imóveis, mas o comprador está cauteloso – diz título de chamada no alto da primeira página do Estadão de hoje. Que fenômeno é revelado por esta notícia causada pelos efeitos econômicos da pandemia da covid-19

6 – Carolina – Crime violento cai em 71% das cidades de São Paulo – é o título de outra chamada de primeira página no Estadão de hoje. Você considera este efeito da pandemia como positivo no meio de tantas tragédias por ela provocadas

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: