Lula condenado de novo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lula condenado de novo

Apenas fé cega de seus súditos mantêm de pé fantasias como falta de provas contra Lula, perseguido, depois da condenação a 12 anos e 11 meses pela juíza Gabriela Hardt, sucessora de Sérgio Moro

José Nêumanne

06 de fevereiro de 2019 | 18h27

É claro que lendas urbanas de que petista é perseguido e não há provas contra ele continuarão, mas são cada vez menos consistentes. Foto: Sebastião Moreira/EFE

A segunda condenação de Lula na 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba sob acusação de ter recebido propina de OAS, Odebrecht e Chahim para reformas em sítio de sua propriedade, embora sua defesa a atribua aos amigos Jonas Suassuna e Fernando Bittar, assinada pela juíza substituta Gabriela Hardt, destroça lendas urbanas a respeito do ex. Uma é a de que ele é perseguido pelo ex-titular da mesma vara, Sérgio Moro, que o condenara a 9 anos e meio e a pena foi aumentada para 12 anos e 1 mês pelo TRF 4. A juíza, que não ocupará o lugar antes ocupado pelo atual ministro da Justiça, sentenciou-o a 12 anos e 1 mês, somando 25 anos. Outra é a de que não há provas contra ele, e elas abundam. Este é um dos comentários que fiz no Estadão às 5, ancorado por Gustavo Lopes e retransmitido por YouTube, Twitter e Facebook do estúdio da TV Estadão na redação do jornal, na quarta-feira 6 de fevereiro de 2019, às 17 horas.

Para ver o vídeo clique aqui

 

Tendências: