Lava Jato pega Alckmin

PF indiciou ex-governador paulista Alckmin por corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro, criando dificuldades para PSDB manter domínio em São Paulo

José Nêumanne

17 de julho de 2020 | 21h45

Alckmin é o terceiro tucano de alta plumagem a cair na rede da Lava Jato, prenunciando futuro difícil em disputas eleitorais do PSDB mesmo em São Paulo, sob seu domínio há muito tempo. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Lava Jato de São Paulo, que nunca foi muito efetiva nos anos anteriores, passou a funcionar nesta pandemia e, depois de ter indiciado José Serra, agora alcançou outro ex-governador tucano, levando a Polícia Federal a indiciar Geraldo Alckmin por corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro. Nunca é tarde para fazer a coisa certa. O “picolé de chuchu” já tinha sido duas vezes derrotado de forma fragorosa, primeiro para Lula, do PT, em 2006, e por Jair Bolsonaro, em 2018. com uima votação pífia. O PSDB, fundado por Mário Covas e Fernando Henrique para se contrapor ao PMDB de Orestes Quércia, que se orgulhava de ter quebrado o Banespa para eleger seu pupilo Fleury, está atolado no lamaçal da corrupção desde que Aécio Neves foi pilhado pegando propina da mesma empreiteira Odebrecht, como foram apanhados agora Serra e Alckmin. Essa pecha, com certeza, vai contaminar todos os tucanos, inclusive os que ainda mandam em São Paulo. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.