As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Juíza exige transparência de Lulinha

Juíza da Lava Jato nega apuração sobre abuso de autoridade requerida por advogados do filho do petista, avaliando que investigação é 'de interesse de toda a sociedade' e que retirada do sigilo propicia 'saudável escrutínio público'

José Nêumanne

07 de fevereiro de 2020 | 20h54

Gabriela Hardt negou pedido da defesa de Lulinha para decretar sigilo sobre buscas e apreensões da PF na investigação das relações promíscuas de Lulinha com a Oi. Foto: Reprodução

A juíza Gabriela Hardt, da 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba, decretou que permaneçam públicas investigações da Operação Mapa da Mina, 69.ª fase da Lava Jato, que mira pagamentos de R$ 132 milhões da Oi a empresas de Fábio Luís Lula da Silva, filho de Lula. Ela negou representação da defesa de Lulinha para investigar abuso de autoridade após reportagens revelarem relatórios da PF na inquérito. É isso aí, né?

Para ver comentário no Jornal da Gazeta da TV Gazeta da sexta-feira 7 de fevereiro de 2020 clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.