Isolamento e desespero

Isolamento e desespero

Fim de linha de Lula na Justiça leva aliados históricos do PT distanciarem-se dele na eleição de outubro

José Nêumanne

29 de janeiro de 2018 | 18h29

Temer (com Amaury Jr.) tenta chegar às massas para vender a reforma da Previdência Foto: Marcos Corrêa/PR

Ao dizer que não respeitará a decisão do TRF4 que confirmou sua condenação na primeira instância e aumentou a pena de 9 anos e meio para 12 anos e 1 mês, Lula ficou fora da lei. E, ao assumir a mesma posição de seu candidato, o PT afastou aliados históricos, que  perceberam que essa atitude leva a esquerda de volta aos tempos da clandestinidade e não parecem dispostos a entrar na mesma aventura. As declarações de Gleisi Hofman, Luiz Marinho e Lindbergh Farias pregando a retirada da legalidade, refletem o desespero de quem não tem sequer realismo para perceber o óbvio. Todo mundo já sabia que Lula seria condenado por unanimidade e seus devotos  preferiram apostar no improvável. Agora pagarão o pato pela decisão estúpida e tresloucada.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

 

Para ouvir Sílvio Santos vem aí, clique aqui

Abaixo, a íntegra da degravação do comentário:

Eldorado 29 de janeiro de 2018 – Segunda-feira

Haisem O Estadão publicou no fim de semana que o PCdoB, o PDT e o PSOL, que manifestaram apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula no julgamento do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), afirmam que não vão aderir à proposta do PT de uma “ampla” aliança de esquerda na eleição presidencial deste ano. Isso quer dizer que na eleição o buraco é mais embaixo?

É, seu Haisem, cada um sabe onde dói mais seu calo. Apesar de defender o direito de Lula se candidatar novamente ao Planalto, os dirigentes partidários ouvidos pelo Estado disseram que não vão desistir das candidaturas próprias, o que deve pulverizar o campo ideológico na disputa. Ao insistir na candidatura de Lula, a Executiva Nacional do PT aprovou resolução que defende “uma ampla e sólida aliança” da esquerda em torno do líder petista. O documento foi divulgado na quinta-feira passada, um dia depois de a 8.ª Turma do TRF-4 confirmar a condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e ampliar a pena imposta a Lula para 12 anos e 1 mês de prisão. Com a condenação pelo colegiado, a tendência é de que Lula – líder nas pesquisas de intenção de voto – seja enquadrado na Lei da Ficha Limpa e fique inelegível.

O PT promete levar a candidatura do ex-presidente até às últimas consequências, mas os antigos aliados PCdoB e PDT não aceitam abrir mão das pré-candidaturas presidenciais da deputada gaúcha Manuela D’Ávila e do ex-ministro Ciro Gomes, respectivamente.

O PSOL convidou para ser candidato à Presidência o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, nome ligado a Lula. Se aceitar, Boulos repetirá a estratégia de voo solo que o PSOL adota desde sua fundação, em 2004, fruto de uma dissidência da legenda petista.

“O PT é um partido que sempre buscou hegemonia. Nunca tive a ilusão de que eles poderiam apoiar o Ciro. Se não for o Lula, eles vão lançar outro candidato”, disse Cid Gomes, ex-ministro da Educação no governo Dilma Rousseff e irmão de Ciro. “O PT quer lançar uma frente contando que o candidato seja deles. Tem sido a prática nos últimos anos”, afirmou o vice-presidente do PDT e líder da bancada na Câmara, André Figueiredo (CE).

Na avaliação de dirigentes desses partidos e de todos nós, a decisão judicial na segunda instância da Operação Lava Jato piorou as condições para Lula se candidatar sem questionamentos na Justiça Eleitoral. Com isso, acreditam que o eleitor em busca de nomes de oposição ao governo Temer tende a encontrar opções em outros partidos.

O PT assumiu posição de fora da lei e seus aliados históricos perceberam que essa atitude leva de volta aos tempos da clandestinidade da esquerda e não parecem dispostos a entrarem na mesma aventura. As declarações de Gleisi Hofman, Luiz Marinho e, principalmente, Lindbergh Farias pregam a retirada da legalidade e refletem o desespero de quem não tem sequer realismo para perceber o óbvio. Até meu neto de 3 anos sabia que Lula seria condenado por unanimidade e o PT preferiu apostar no improvável. Agora vai pagar o pato pela decisão estúpida e tresloucada.

Carolina Depois da pior chacina da história do Estado, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), disse que seu Estado não fabrica nem armas pesadas nem drogas e que cobrará ações do presidente Michel Temer para conter a onda de violência local. Isso poderá levar a quê?

Santana, que, de início, preferiu se comunicar por redes sociais, imitando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse isso após uma reunião com autoridades dos três poderes estaduais marcada para discutir a chacina que matou 14 pessoas em Fortaleza na madrugada de sábado, 27.

“Estou pedindo uma audiência com o presidente da República para exatamente cobrar ações mais efetivas do governo federal em relação ao combate ao crime organizado, ao tráfico de drogas, à proteção das fronteiras do nosso País por conta dessa questão do alto índice de criminalidade do Brasil”, afirmou. Na coletiva, o governador disse que a polícia cearense teria identificado cinco pessoas relacionadas à chacina, sendo três mandantes, e que as prisões sairiam “nas próximas horas”. Ele informou que uma pessoa, portando um fuzil e que teria relação com o massacre, já estaria presa.

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, em nota oficial, respondeu a essa provocação com uma nota dura: “O ministro Torquato Jardim reafirma que a União seguirá cumprindo o papel de oferecer apoio técnico e financeiro aos Estados, como vem fazendo regularmente, para que os órgãos de segurança pública trabalhem de forma integrada e harmoniosa, ainda que os governantes não solicitem apoio por razões eminentemente políticas”.

Não tenho a menor simpatia pelo ministro da Justiça, mas na disputa de irresponsabilidade, o governador petista saiu na frente. A chacina mostra de fato em que situação deplorável está o Brasil, mas isso não muda o preceito constitucional de que segurança pública é da alçada estadual, não federal. Transferir a culpa para cima é um velho vício que só mostra a irresponsabilidade e o desprepardo de nossos gestores públicos e que estamos, não no mato sem cachorro, mas acuados pela cachorrada.

Haisem O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes foi hostilizado por passageiros de um voo que partiu de Brasília rumo a Cuiabá (MT) neste sábado (27). Será que Gilmar resolveu tirar a limpo a constatação de que hoje ele consegue ser mais impopular do que Temer e se deu mal?

As críticas ao ministro, que também preside o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) até o início de fevereiro, foram registradas em vídeos compartilhados em redes sociais. “Vai soltar o Lula também depois? E o Aécio, questionaram passageiros. “O STF não presta para nada. Tem que fechar aquilo lá”, continuaram, referindo-se ao ministro como “vergonha para o país”, “vergonha para a família brasileira” e utilizando termos mais chulos como “cagão”. O ministro não reagiu às manifestações. Em um outro vídeo, é possível ver que ele ficou mexendo no celular enquanto era hostilizado.

SONORA GILMAR_VAIAS 2901

Um comissário e o comandante precisaram pedir no sistema de som da aeronave que os passageiros desligassem equipamentos eletrônicos e ficassem sentados.

Pelo visto, Gilmar foi buscar lã e saiu tosquiado. Ele é identificado como Gilmar “deixa que eu solto” Mendes e sua virada de voto na jurisprudência da prisão após segunda instância acirra o ódio da população contra ele e com toda justiça. Pois a população sabe muito bem que esse recuo na direção da impunidade e, portanto, da barbárie é pior para a sociedade e só atende aos interesses dos privilegiados amiguinhos dos ministros do STF. Não adianta viver fugindo. Uma hora precisa enfrentar a realidade e aí é que a onça bebe água.

Carolina Foi ao ar ontem a participação do presidente Michel Temer no programa Silvio Santos na tentativa de ganhar o jogo difícil da reforma da Previdência. Será que isso vai adiantar alguma coisa?

Na entrevista, Temer ressaltou “a importância das ‘colegas de trabalho’ sensibilizarem os deputados” para que eles votem a reforma da Previdência. “Colegas de trabalho” é a expressão que Silvio Santos costuma usar quando se refere à sua plateia (que é toda composta por mulheres).

SONORA_SÍLVIO E TEMER

Silvio Santos e o presidente tentaram ser didáticos e “traduzir” a reforma para um público que não está acostumado ao noticiário político e econômico. “Se não aprovarem a Previdência, daqui dois, três, quatro anos não vai ter dinheiro para pagar ninguém”, disse o apresentador. O presidente completou: “Se não houver uma reformulação na Previdência vai acontecer o que aconteceu em Portugal e na Grécia. Ou seja, a dívida previdenciária é tão grande, tão expressiva, que lá (Grécia e Portugal) foi preciso cortar 30%, 40% dos vencimentos dos funcionários públicos”.

Parece que a divulgação dos dados dramáticos das contas públicas recentemente feita pelo funcionário responsável pelas despesas previdenciárias, Marcelo Caetano, e a condenação unânime de Lula pelo TRF4 podem ter alterado um pouco a perspectiva da votação da reforma da Previdência. O esforço de Temer para conseguir esse feito histórico é louvável, mas não resolve definitivamente o busilis da questão, que é a permanência de privilégios de políticos e funcionários, como é o caso dos militares. Recentemente, o Estadão publicou que a previdência especial dos militares custa 16 vezes mais do que a do trabalhador comum e isso realmente não tem explicação e não deveria ser mantido. Mas os militares ainda querem ressuscitar o auxílio-moradia justamente no momento em que até o Congresso está sendo obrigado a abrir mão dessa regalia. Esse tipo de alienação prejudica mais a reforma da Previdência, que é necessária e urgente do que a fúria retórica da esquerda contra o tema.

Haisem Em sua coluna deste fim de semana na Folha e no Globo, o jornalista Elio Gaspari registrou uma presença muito ilustre entre as personalidades estrangeiras que caem no conto da perseguição contra Lula e assumem publicamente a denúncia de que há uma ditadura do Judiciário no Brasil. Por que isso acontece?

Primeiro, vou ler a nota de Elio: Entre os 100 mil signatários do manifesto “Eleição sem Lula é fraude” está Daniel Ellsberg. Quem for assistir ao filme “The post — A guerra secreta” verá o personagem logo nas primeiras cenas, quando ele estava no Vietnã com a tropa americana. Trabalhando no Departamento de Defesa, Ellsberg atuou na coleta dos documentos que formaram os 14 volumes conhecidos depois como Pentagon Papers. Desafiando o governo, em 1971 ele deu cópias da papelada ao “New York Times” e ao “Washington Post”. O resto da história está no filme.

A turma de aloprados do presidente Richard Nixon varejou o consultório do psiquiatra de Ellsberg. Disso resultou o fim do processo que o governo lhe movia, e o episódio ajudou a provocar a renúncia de Nixon. Com uma biografia desse tamanho, Ellsberg tornou-se um dos ícones de seu tempo. Jamais pisou na bola. Escreveu três livros, vive modestamente, milita em causas pacifistas e foi preso manifestando-se contra a invasão do Iraque.

Antes de qualquer comentário, registro que Daniel Ellsberg é um herói de minha juventude justamente por causa de sua coragem em arriscar a pele para denunciar a cadeia de mentiras dos presidentes americanos Truman, Eisenhower, Kennedy, Johnson e, finalmente, Nixon, mostrando que esta história de fake news não é tão nova assim nem essa política de enganar a população com mentiras no discurso político não é exclusividade de países pobres. Os ricos também mentem. Este fim de semana vi The Post e tive a mesma emoção de quando vi o clássico ET, do mesmo gênio Spilberg. Trata-se do momento oportuno, porque a mesma liberdade de imprensa ameaçada em 1971 está em risco agora nos EUA de Trump e no Brasil do PT ameaçando controlar a imprensa caso empolgue o poder novamente. Ellsberg está sendo ludibriado e usando sua boa imagem para propagar uma mentira. Isso não suja sua biografia, mas felizmente nada muda entre nós.

SONORA Sílvio Santos vem aí

 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.