As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Investidores fogem em massa do Brasil

Saldo negativo de investimentos estrangeiros até 29 de setembro de 2020 chegou a 88 bilhões e 2 milhões de reais, ou seja, o dobro do registrado em todo o ano passado, que foi de 44 bilhões e meio

José Nêumanne

02 de outubro de 2020 | 20h50

Incertezas políticas, ambientais e fiscais do País, além da perspectiva de recessão depois da pandemia, afastam investidores estrangeiros da Bolsa. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Os estrangeiros continuam retirando dinheiro do mercado de capitais no Brasil. De acordo com dados divulgados pela Bolsa de Valores de São Paulo, o saldo negativo no ano até 29 de setembro chegou a R$ 88,2 bilhões. Isso representa o dobro do registrado em todo o ano passado, quando os estrangeiros levaram de volta para casa R$ 44,5 bilhões. O ápice da retirada aconteceu no dia 23, quando no acumulado de 2020 as retiradas chegaram a R$ 89,2 bilhões. Entradas e saídas de capital estrangeiro seguem oscilando, de acordo com o noticiário sobre avanços na busca de uma vacina contra a covid-19 e medidas mais duras anunciadas por alguns governos para conter uma segunda onda da pandemia. Também entram na conta o crescimento do risco fiscal, ruídos do governo e a imagem desgastada da política ambiental do País.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário da sexta-feira 2 de outubro de 2020

1 – Haisem – Saída de estrangeiros da Bolsa é o dobro de todo o ano de 2019 – Esta é a manchete da primeira página da edição impressa do Estadão hoje. O que explica, a seu ver, essa debandada de investidores de nosso mercado de valores durante a pandemia

2 – Carolina – Presidente fala em “amizade” e indica Marques para o Supremo Tribunal Federal – Este é o título de outra chamada no alto da primeira página do jornal. Afinal, o desembargador do TRF 1 indicado por Jair Bolsonaro para o lugar do decano é amigo de quem, Nêumanne

3 – Haisem – Planalto propõe passar 1,4 bilhão de reais da Educação para obras – Diz título de chamada na primeira página do jornal impresso. Existe, a seu ver, alguma justificativa qu,e seja razoável para empobrecer a instrução pública, já depauperada, para financiar obras federais em 2021

4 – Carolina – Governo quer que escolas adotem salas especiais – Diz título de outra chamada de primeira página em nosso jornal. A providência parece lógica para contribuir para reduzir os danos das perdas da educação depois da pandemia. Mas por que essa espera de seis meses para dar a ideia

5 – Haisem – O Uol noticiou que a doação de 7 milhões e meio de reais do frigorífico Marfrig para a compra pelo Ministério da Saúde de 100 mil testes para covid 19 foi destinada para Michelle Bolsonaro, que a desviou para instituições evangélicas financiadas por Damares Alves. Por que, hein?

6 – Carolina – Russomano se associa a Bolsonaro e vira alvo de adversários no primeiro debate de São Paulo – É a manchete do Portal do Estadão a que têm acesso agora os assinantes do Estadão. Em sua opinião, a que se deve esse fato?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: