As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

INSS destrata pobres brasileiros

É absolutamente injustificável que, depois de seis meses da pandemia sem atendimento presencial nas agências do INSS, agora abertas, mutuários não conseguem entrar nelas para fazer perícias médicas pagas e agendadas

José Nêumanne

22 de setembro de 2020 | 22h17

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco Leal, acompanha inspeção em agência do INSS em Brasília, mas mutuários continuaram sendo enxotados. Foto: Gabriela Biló/Estadão – 16/9/2020

Promulgada a reforma da Previdência, pobres são submetidos a maus tratos em dependências públicas, além do que já o eram antes pela burocracia previdenciária federal. Fechada durante seis meses a pretexto da Covid-19, as agências do INSS anunciaram que voltariam a prestar serviços pelos quais os cidadãos brasileiros pagam e dos quais os desvalidos mais precisam. Mas até agora quem agenda perícias médicas nessas agências não consegue UM laudo para recebere auxílio a que tem direito por uma mistura de incúria e insensibilidade dos governantes. É o caso do presidente Bolsonaro, que, interessado na abertura de estádios de futebol, não dá a mínima atenção a tais abusos corriqueiros, na certa por não acompanhar as imagens do cotidiano de dor e desamparo daqueles para os quais não governa. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no KouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.