HD indiscreto delata Lulinha

HD indiscreto delata Lulinha

PF abriu HD em cuja memória CEO da Oi guardou de bobeira e-mails com propinas no valor de R$ 130 milhões que a "supertele" verde amarela pagou para filho de Lula e seus negócios na informática com 3 sócios

José Nêumanne

05 de fevereiro de 2020 | 21h37

Eurico Teles, CEO da Oi, manteve e-mails de negociações escusas com Lulinha e sócios num HD no qual PF pôs as mãos. Foto: Ian Cheibub/Estadão

A PF achou num HD na sede da Telemar/Oi no Rio 1 terabyte de e-mails entre a telefônica e as empresas criadas pelo quarteto furta, mas não faz Luís Fábio Lula da Silva, Jonas Suassuna, Fernando e Kalil Bittar contendo detalhes sobre a transferência de R$ 130 milhões. Tudo em e-mails do CEO da megaempresa falida, Eurico Teles. É a soma da ambição desmedida com a certeza absoluta da impunidade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.