Golpe de escroques de quinta
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Golpe de escroques de quinta

Invasão de celulares de autoridades, que Intercept de Greenwald tentou desmoralizar, foi trabalho de quadrilha de vigaristas de golpes menores com capivara policial vasta e variada

José Nêumanne

25 de julho de 2019 | 13h46

Apontado como chefe do bando que hacckeou celulares de autoridades, Delgati, é um estelionatário com folha corrida na polícia. Foto. Foto: Daniel Marenco/Agência O Globo

A confissão do suspeito de ter chefiado o hackeamento dos celulares de autoridades do Judiciário e do Ministério Públlico, que participaram de investigações e conduções de processos que levaram à cadeia a cúpula de várias partidos políticos comprometidos com o maior assalto aos cofres públicos do Brasil, parecia ser um crime sofisticadíssimo. Mas não passou de um golpe rasteiro de escroques com larga experiência em crimes comuns como estelionato, caso do tal de Walter Degatti Neto, vulgo Vermelho, com alguns comparsas também do baixíssimo clero do banditismo semi-amador. Isso, contudo, não significa que tenham lidado com valores equivalentes a suas próprias práticas criminosas. Afinal, o Coaf detectou movimentações de RS$ 600 mil em contas bancárias de  um acusado preso em Brasília, além de R$ 100 mil em espécie achados na busca e apreensão. A confissão do chefe do bando de que o grupo forneceu as mensagens divulgadas em conta-gotas no site The Intercept Brasil, de Glenn Greenwald, é óbvia, lógica e reveladora. O grave é que resultou no maior vexame da História dos meios de comunicação no Brasil, ultrapassando de longe o tristemente célebre episódio da Escola Base.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Assuntos para comentário na quinta-feira 25 de julho de 2019

1 – A manchete do Estadão informa que “hacker diz à polícia que deu a site acesso a conversas de Moro”. Você diria que, afinal de contas, a Operação Spoofing foi bem-sucedida, com méritos para a Polícia Federal

2 – O fato de os suspeitos de invasão dos telefones de autoridades como os ministros da Justiça, Sergio Moro, e da Economia, Paulo Guedes, mudaria, a seu ver, a natureza do caso de política para policial

3 – Qual a importância da descoberta de movimentação atípica do casal preso em Araraquara no que se refere ao hackeamento dos celulares, em especial dos agentes da lei empenhados em combater a corrupção

4 – Quem são os outros dois presos e levados para Brasília pelos federais da Operação Spoofing

5 –  Ao desbaratar a ação dos hackers que invadiram seu telefone, o ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro supera o desgaste que tem sofrido desde 9 de junho com a divulgação das supostas mensagens que teria trocado com o coordenador da força-tarefa de Curitiba, Deltan Dallagnol, a ponto de fortalecê-lo na discussão de sua agenda no Congresso com o pacote anticrime e o combate à corrupção

6 – Que conseqüências a investigação da Operação Spoofing poderá ter sobre os parceiros do site The Intercept Brasil, do americano Glenn Greenwald, na imprensa brasileira, Folha de S.Paulo, Veja e BandNews, e sobre os meios de comunicação brasileiros em geral

7 – Qual a importância da notícia de que o mesmo juiz que autorizou a Operação Spoofing, Valisney de Souza Oliveira, absolveu Lula de alguns crimes no processo das propinas da Odebrecht em Angola, mas manteve o processo em outros

8 – Até que ponto o programa Saque Certo vai mesmo, como pretende a equipe econômica do governo Bolsonaro, sob o comando do ministro da Economia, Paulo Guedes, ser o primeiro passo para a retomada do crescimento e o fim do desemprego no Brasil

SONORA_GUEDES 2507 A

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.