Fux bateu e Bolsonaro afinou

Presidente do STF criticou quem abusa "da liberdade de expressão para propagar ódio, desprezo às vítimas e negacionismo científico", mas o capitão, a seu lado, não tugiu nem mugiu, fazendo cara de paisagem

José Nêumanne

02 de fevereiro de 2021 | 21h40

Fux não poupou críti8cas ao negacionismo e, a seu lado, de máscara, Bolsonaro fingiu que não era com ele. Foto: Reprodução/TV Justiça

1 – Enquanto seus candidatos disputavam eleições na Câmara e no Senado, o presidente foi à abertura do ano judiciário e ouviu, sem reagir, fortes críticas feitas pelo presidente do STF a seu incentivo ao ódio e a sua desastrada gestão da pandemia, mas ele não tugiu nem mugiu. 2 – O ministro do STF Ricardo Lewandowski retirou o sigilo de conversas entre Moro e procuradores da Lava Jato para uso pela defesa de Lula de provas obtidas criminosamente. 3 – Ney Bello, do TRF 1, candidato de Gilmar para vaga de Maia no STJ, mandou encerrar investigação sobre atuação suspeitíssima do lobista Wassef, que atuou como advogado de Flávio Bolsonaro na ação do peculato na Alerj. Direto ao Assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.