Fraude inominável

Fraude inominável

Perdão da condenada Dilma no Senado é obra de Lewandoski e Renan

José Nêumanne

02 de setembro de 2016 | 18h55

lewandosenado

A confusão programada por Lewandowski

O fatiamento da votação da pena atribuída a Dilma Rousseff no Senado foi uma fraude inominável praticada pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski, articulada com a participação do presidente do Senado, Renan Calheiros, e com a conivência do presidente da República, Michel Temer. A presidente processada, ré no processo de impeachment aberto pela Câmara e concluído pelo Senado, teve parte da pena única perdoada numa tramoia que rasurou explicitamente o texto constitucional na tela exibida durante a sessão no plenário senatorial, às vistas de toda a Nação, que acompanhou com interesse maciço e massivo a transmissão ao vivo da sessão.

(Comentário no Direto da Redação 3 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na quinta-feira 1º de setembro de 2016, às 18 horas)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.