Flagrante delito
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Flagrante delito

Propostas discutidas por líderes partidários com ministros do TSE são de um cinismo aterrador

José Nêumanne

17 Março 2017 | 18h43

Jucá, o Caju da Odebrecht, conta com a cumplicidade de colegas e do TSE para reduzir penas de partidos Foto Dida Sampaio/Estadão

Caju  obteve a cumplicidade de colegas e do TSE para reduzir penas de partidos Foto Dida Sampaio/Estadão

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), elabora, em parceria com ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), propostas para rever a legislação de partidos políticos. O senador afirmou que irá apresentar, até a próxima semana, de três a quatro projetos sobre o assunto, que devem tramitar em regime de urgência. Sem entrar em detalhes, o senador afirmou que haverá “menos penalidades”. O Caju da lista da Odebrecht é o autor da pérola “vamos deter essa sangria”, referindo-se à Lava Jato. Agora é o primeiro a admitir que o Congresso trabalhar para reduzir as penas dos políticos delinquentes. É a completa desfaçatez disfarçada de distração. É a confissão de um canalha em ação.

(Comentário no Direto do Assunto 2 na Rádio Estadão – FM 92,9 – na sexta-feira 17 de março de 2017, às 7h35m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site Estação Nêumanne, no ícone do play