Fiocruz adiou vacinas para março

Produção de 160 milhões de doses para completar plano ainda sem datas de imunização pelo Ministério da Saúde é ameaçada por incerteza sobre entrega de insumos produzidos na insultada China

José Nêumanne

20 de janeiro de 2021 | 20h45

Sem insumos nem perspectiva de recebê-los ainda este mês, Fiocruz comunicou adiamento da entrega dos primeiros dos 160 milhões de doses de sua parceria com Oxford e AstraZeneca. Foto: : Timur Matahari/AFP

Com o atraso na chegada de insumos vindos da China, a Fundação Oswaldo Cruz adiou de fevereiro para março a previsão de entrega das primeiras doses de 160 milhões da vacina Oxford/AstraZeneca que serão produzidas no Brasil para uso no ainda fictício plano de vacinação do Ministério da Saúde. A informação sobre a nova data está em ofício da Fiocruz encaminhado ontem ao Ministério Público Federal (MPF), ao qual o Estadão teve acesso. A mudança deve dificultar ainda mais a imunização ansiosamente esperada pelo povo brasileiro que com as vacinas ressuscita esperanças moribundas de voltar a uma vida mais próxima da normal da reclusão a que está submetida com a quarentena imposta pela pandemia. , As incertezas também dizem respeito à importação dos insumos para a produção da coronavac, do Butantã.

Para ouvir comentário na rádio clique  aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na quarta-feira 20 de janeiro de 2021

1 – Haisem – Fiocruz adia para março entrega das vacinas – Este é título de chamada no alto da primeira página da edição impressa do Estadão hoje. O que motivou o adiamento e quais serão as conseqüências sobre a vacinação, grande e, na verdade, únic a esperança do povo brasileiro hoje

2 – Carolina – Graças a Deus, ainda há Anvisa em Brasília – Este é o título do artigo de sua autoria publicado hoje na página 2, de Opinião, do Estadão. Por que uma agência de vigilância sanitária ganhou tanta importância neste País no meio das tragédias provocadas pelo contágio do novo coronavírus e do desprezo das autoridades para a realidade do povo

3 – Haisem – Que razões há para o povo brasileiro ter informações detalhadas sobre o comportamento da pandemia da covid-19 no País dadas por pesquisadores da Fiocruz, mas a diretoria da instituição permanecer em anonimato e silêncio, guardando numa espécie de caixa preta decisões estratégicas sobre sua participação no plano de imunização

4 – Carolina – Quais as conseqüências da dificuldade da importação de insumos da China e vacinas produzidas na Índia para a imunidade de rebanho, única solução que poderá restaurar parcialmente a normalidade no Brasil ainda este ano, como até agora era de esperar

5 – Haisem – Desembargador do Mato Grosso tem “extra” de até 274 mil reais – Este é o título de chamada de primeira página na edição impressa do jornal hoje. O que pode justificar, a seu ver, um absurdo destes em qualquer hora, mas especialmente agora

6 – Carolina –  Biden inicia guinada contra modelo populista de Trump – O que, a seu ver, dá para esperar em mais uma mudança radical de comando na maior potência democrática do planeta hoje e que conseqüências ela pode trazer para nosso cotidiano no Brasil

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.