Fiasco em nada suaves prestações
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fiasco em nada suaves prestações

Tentar aprovação da reforma da Previdência para aproveitar lua de mel da chegada ao governo pode ser uma boa ideia, mas fatiá-la é promover uma queda em etapas pela lei da gravidade

José Nêumanne

05 Dezembro 2018 | 17h52

Se será muito difícil Bolsonaro aprovar reforma da Previdência de uma vez só como remédio amargo, pior ainda será se fatiá-la. Foto: Ernesto Rodrigues/Estadão

A notícia de que o futuro governo vai ao Congresso para votar a reforma da Previdência logo de saída é alvissareira. No entanto, o método do fatiamento da mesma a ser empreendido é a crônica do fiasco anunciado, só que ele não virá de uma vez, mas em prestações que se derrubam como uma fila de peças de dominó da qual a primeira cairá depois de um piparote e as seguintes apenas refletirão o impulso da anterior estimulado pela lei da gravidade, que o velho Newton descreveu em 1666, aos 23 anos. Sendo as medidas necessárias um remédio amargo para uma doença fatal, mais sábio seria engoli-lo de uma vez após cuidadosa preparação. Ainda assim, com a condição do fim dos privilégios. E quem vai topar? Este foi um dos meus comentários no Estadão às 5, ancorado por Emanuel Bomfim e transmitido do estúdio da TV Estadão na redação do jornal por Youtube, Twitter e Facebook na quarta-feira 5 de dezembro de 2018, às 17 horas.

Para ver o vídeo clique aqui