As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fabrício ainda não contou nada

Bolsonaro diz que, para ele, o caso Fabrício está "encerrado", mas se engana, pois ex-faz-tudo de seu filho Flávio ainda não depôs ao MPF e deve ter muito a contar sobre peculato, corrupção e lavagem

José Nêumanne

19 de junho de 2020 | 20h55

Flávio diz que escândalo da Alerj só serve para “abacar” seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, mas se esquece que, se isso for verdade, o responsável é só ele mesmo. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Fala-se em “rachadinha” como se fosse uma coisa corriqueira. Não é. Flávio Bolsonaro e o presidente da Alerj, André Ceciliano, do PT, são investigados por três crimes graves: peculato, corrupção e lavagem de dinheiro. Isso é comum em Legislativos no País e devia ser apurado e combatido. O que torna o caso Fabrício Queiroz explosivo é que relaciona milícias cariocas com a famiglia Bolsonaro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: