Enfim, a delação de Léo Pinheiro

Enfim, a delação de Léo Pinheiro

Mais de dois anos após iniciada, delação premiada de empreiteiro da OAS foi assinada com a PGR e enviada ao STF para homologação cercada de todos os cuidados, pois consta que seu presidente é citado

José Nêumanne

24 de janeiro de 2019 | 07h04

É grande expectativa em torno de delação premiada de Leo Pinheiro à PGR, pois provavelmente incluirá importante ministro do STF. Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados

Após dois anos de espera, Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS e testemunha fundamental no processo da Lava Jato em que Lula é acusado de ter recebido propina para fazer reformas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia, assinou um acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República. Iniciada em 2016, a negociação para que isso ocorresse só terminou agora devido à paralisação sofrida no processo pelo escândalo provocado pela reportagem de capa da revista semanal Veja informando que o nome do ministro e hoje presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli era citado por ele. O documento foi enviado ao STF para o relator Edson Fachin homologar. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da quinta-feira 24 de janeiro de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.