Em prol de amigos suspeitos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em prol de amigos suspeitos

No STF Alexandre de Moraes foi coerente com passado de secretário de Alckmin, que atribuía medo do PCC à "mídia" e de ministro de Temer, a quem agradeceu com voto indicação para topo da carreira

José Nêumanne

29 Novembro 2018 | 16h26

Por subsídios reajustados, ministros do STF encaminham votação para dar a Temer poder de soltar quem quiser em mais dois indultos. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A sessão plenária do STF em que começou o julgamento do indulto de Natal do ano passado, decretado por Temer, teve início com o voto lúcido e informativo do relator, Barroso, mas continuou com outro de Alexandre de Moraes abrindo dissidência, que tem tudo para prevalecer. E este garantiu o direito dado ao chefe do Executivo de soltar quem quiser, atribuído pelos guardiões da Constituição à própria. Pelo andar da carruagem, deu bandeira de que a preferência por alguns bandidos da classe política faz parte de um grande acordo geral em que time dos ministros ditos “supremos” acertou tudo previamente com o chefe do Executivo, os suspeitos do Legislativo pela impunidade e contra a Lava Jato.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quinta-feira 29 de novembro de 2018, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

1 – Haisem – Pezão é preso pela Lava Jato no Rio

 

2 – Carolina – Votação do indulto no STF – 1 a 1

SONORA_BARROSO 2911

 

3 – Haisem – Alexandre de Moraes – voto liberou geral para Temer

SONORA_MORAES 2911

 

4 – Carolina – Gilmar – Indulto é necessária para esvaziar prisões

 

5 – Haisem – Palocci de volta pra casa com tornozeleiras

 

6 – Carolina – Inconfidência de Eduardo Bolsonaro nos EUA sobre Previdência – furo de Beatriz Bulla

 

7 – Haisem – Esforço na Câmara para reverter Lei das Estatais em benefício de políticos

 

8 – Carolina  Entrevista do editor Zé Mario Pereira no Blog do Nêumanne