…e o herói virou vilão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

…e o herói virou vilão

Líderes do mundo inteiro curvaram-se ao marketing do guerreiro herói do ditador brutal Fidel

José Nêumanne

28 de novembro de 2016 | 19h45

Fidel, em foto com Jango

JK e Jango, papagaios de pirata de Fidel

Morte de Fidel Castro exibe o abandono a que o mundo bem-pensante tem exposto sua maior vítima, o povo cubano, mantendo o endeusamento de um mito romântico de guerrilheiro justiceiro e omitindo o fato de ele ter exercido na ilhota caribenha a 140 quilômetro das costas norte-americanas da Flórida, o mais longevo e brutal regime ditatorial de que se tem notícia na Terra no fim do século 20 e início do 21. Trump foi o único político que lembrou tanto o ditador brutal quanto o povo que ele tiranizou e cafetinizou. O herói de Sierra Maestra tornou-se vilão combatente contra democracia, liberdade e justiça, abraçando causas de barbárie, repressão, preconceito e arrogância.

(Comentário no Estadão no Ar 2 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na segunda-feira 28 de novembro de 2016, às 9h10m)

Para abrir clique aqui e, aberto o site da emissora, no play sob o anúncio em azul

Para ouvir El cuarto de Tula clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.